Chefe da US Navy diz que três SSN classe Virgínia por ano são um “desafio”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O USS New Hampshire, submarino de ataque classe Virginia, entrando na Estação Naval de Norfolk em 7 de maio de 2021 (Foto: Alfred A. Coffield/US Navy).

O USS New Hampshire, submarino de ataque classe Virginia, entrando na Estação Naval de Norfolk em 7 de maio de 2021 (Foto: Alfred A. Coffield/US Navy).

O principal oficial da Marinha dos Estados Unidos disse que atingir uma taxa de produção de três submarinos de ataque com propulsão nuclear da classe Virginia será um desafio por uma série de razões.

“Eu realmente acho que três por ano é um desafio”, disse o almirante Michael Gilday, Chefe de Operações Navais (CNO), falando em 13 de maio na Conferência de Programas de Defesa McAleese FY2022. “Acho que a indústria reconhece que três por ano é um desafio.

“Acho que a análise que foi feita destacou o fato de que, olhe, acreditamos que temos uma vantagem agora no fundo do mar”, disse Gilday. “Precisamos manter essa vantagem. [O submarino de ataque é] nossa plataforma de ataque com maior capacidade de sobrevivência. Ele realiza um trabalho pesado para nós em todo o mundo agora. Precisamos dobrar isso, se me permite.”


LIVRO RECOMENDADO

Submarino

  • Lothar Gunther Buchheim (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A US Navy tem muito poucos submarinos de ataque (SSN) para atender a mais da metade das exigências dos comandantes combatentes regionais, de acordo com depoimento perante o Congresso nos últimos anos. A marinha americana está enfrentando uma escassez de submarinos de ataque que se tornará mais severa em meados da década de 2020 porque a produção de submarinos é muito baixa para substituir os SSN classe Los Angeles que estão sendo desativados. A US Navy planeja estender a vida útil de vários submarinos classe Los Angeles para mitigar parcialmente o déficit. Acelerar a aquisição da classe Virginia de dois para três barcos por ano, uma medida apoiada por membros-chave do Congresso, também ajudaria a aliviar o déficit.

A produção agora está em andamento com o primeiro submarino de mísseis balísticos movido a energia nuclear da classe Columbia (SSBN), que é a principal prioridade de compras da US Navy na medida em que dissuasão estratégica é sua missão nº 1. O custo da classe Columbia está pressionando fortemente o planejamento orçamentário da marinha americana, tornando a acessibilidade de três SSN classe Virgínia por ano um desafio financeiro. A capacidade dos dois construtores de submarinos – General Dynamics Electric Boat e Huntington Ingalls Newport News Shipbuilding – em termos de infraestrutura disponível e trabalhadores qualificados também levanta questões sobre a capacidade de aumentar a produção de outros SSN em um determinado ano. A adição do Virginia Payload Module, que adiciona despesas ao Block 5 da classe Virginia, também pressiona o orçamento de construção naval.

“Portanto, é realmente um desafio para a indústria”, disse Gilday. “Podemos chegar a uma produção de três por ano? Eu acho que é um desafio. No momento, a resposta é que não podemos produzir três por ano. Esperamos chegar a um ponto em que possamos, mas também vai se resumir à acessibilidade em relação à linha principal [do orçamento] e quanto dinheiro nos resta para o crescimento acessível em relação à capacidade.”

Fonte: Seapower Magazine.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a RússiaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também