Israel golpeia Gaza com ataques aéreos

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Explosão ilumina o céu após ataque aéreo israelense a Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021 (Foto: Mohammed Abed/AFP).

Explosão ilumina o céu após ataque aéreo israelense a Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021 (Foto: Mohammed Abed/AFP).

A artilharia israelense atingiu o norte de Gaza na manhã de sexta-feira na tentativa de destruir uma vasta rede de túneis militantes dentro do território, disseram os militares israelenses, aproximando as linhas de frente de densas áreas civis e potencialmente abrindo caminho para uma invasão terrestre.

Israel reuniu tropas ao longo da fronteira e convocou nove mil reservistas após dias de combate com o Hamas, que controla Gaza. Os palestinos dispararam cerca de 1.800 foguetes e os militares israelenses lançaram mais de 600 ataques aéreos, derrubando pelo menos três edifícios. Pelo menos 119 palestinos morreram no enclave administrado pelo Hamas desde o início do conflito.

Os militares israelenses têm alvejado o Hamas tanto em campo aberto quanto no subterrâneo. “Muitas operações do Hamas foram transferidas para o subsolo por causa do incrível poder de fogo que Israel tem no ar, por isso Israel agora está atingindo também o subsolo. Por isso que estamos vendo essa escalada”, disse Irris Makler, correspondente da France 24 em Jerusalém.

Houve uma intensificação da luta na quarta noite, com multidões de judeus e árabes se enfrentando na cidade de Lod, com grupos trocando tiros. A luta ocorreu apesar do reforço na presença policial. De acordo com Makler, o prefeito de Lod disse que parecia que Israel estava à beira de uma guerra civil.

O tenente-coronel Jonathan Conricus, porta-voz militar, disse que carros de combate estacionados perto da fronteira fizeram 50 disparos. Foi parte de uma grande operação que também envolveu ataques aéreos e teve como objetivo destruir túneis sob a Cidade de Gaza usados ​​pelo Hamas para escapar da vigilância e dos ataques aéreos, que os militares chamam de “o Metrô”.

“Como sempre, o objetivo é atingir alvos militares e minimizar danos colaterais e as vítimas civis”, disse ele. “Ao contrário de nossos esforços muito elaborados para limpar áreas civis antes de atacarmos arranha-céus ou grandes edifícios dentro de Gaza, isso não foi viável desta vez.”


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Os ataques aconteceram depois que mediadores egípcios foram para Israel para negociações de cessar-fogo que não mostraram sinais de progresso. Saleh Aruri, líder exilado do Hamas, disse ao canal de satélite Al Araby, de Londres, que seu grupo recusou uma proposta para um cessar-fogo de três horas. Ele disse que Egito, Catar e as Nações Unidas estão liderando os esforços de trégua.

A luta começou na segunda-feira, quando o Hamas disparou um foguete de longo alcance contra Jerusalém em apoio aos protestos palestinos contra o policiamento de um local sagrado e as tentativas de expulsar palestinos de suas casas em favor de colonos judeus.

Desde então, o Hamas e outros grupos dispararam cerca de 1.800 foguetes contra Israel partindo de Gaza, um território densamente povoado. Em retaliação, Israel atacou centenas de alvos na região.

Os foguetes paralisaram partes do sul de Israel e várias barragens atingiram Tel Aviv, a cerca de 70 quilômetros de Gaza.

O Ministério da Saúde de Gaza afirma que o número de mortos aumentou para 119, incluindo 31 crianças e 19 mulheres, com 830 feridos. O Hamas e a Jihad Islâmica confirmaram 20 mortes em suas fileiras, embora Israel diga que esse número é muito maior. Sete pessoas foram mortas em Israel, incluindo um menino de seis anos de idade e um soldado.


LIVRO RECOMENDADO

Israel: Uma história

  • Anita Shapira (Autora)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu prometeu continuar a operação, dizendo em uma declaração em vídeo que Israel “cobraria um preço muito alto do Hamas”.

Em Washington, o presidente Joe Biden disse que falou com Netanyahu sobre acalmar os combates, mas também apoiou o líder israelense dizendo “não houve uma reação exagerada significativa”.

Ele disse que o objetivo agora é “chegar a um ponto em que haja uma redução significativa dos ataques, principalmente dos ataques de foguetes”. Ele chamou o esforço de “um trabalho em andamento”.

Escudos humanos

Israel tem sofrido fortes críticas internacionais pelas baixas civis durante as três guerras anteriores em Gaza, uma área densamente povoada que abriga mais de dois milhões de palestinos. O relatório afirma que o Hamas é responsável por colocar civis em perigo ao colocar infraestrutura militar em áreas civis e lançar foguetes a partir delas.

O Hamas não deu sinais de recuar. Ele disparou seu foguete mais poderoso, o Ayyash, quase 200 quilômetros no sul de Israel. O foguete caiu no deserto aberto, mas interrompeu brevemente o tráfego de voos no aeroporto de Ramon ao sul. O Hamas também lançou dois drones que Israel disse ter derrubado rapidamente.

O porta-voz militar do Hamas, Abu Obeida, disse que o grupo não temia uma invasão terrestre, o que seria uma chance de “aumentar nossa captura” de soldados prisioneiros ou mortos. O combate prejudicou as comemorações do feriado muçulmano de Eid al-Fitr, normalmente marcado por reuniões familiares e refeições festivas.

Fonte: France 24 / AP.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também