Chefe do Estado-Maior Militar francês sugere que militares que assinaram carta sobre “Guerra Civil” devem renunciar

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto: Nicolas Tucat/AFP.

Foto: Nicolas Tucat/AFP.

No domingo, a revista Valeurs Actuelles publicou uma carta de militares franceses na ativa em apoio a seus colegas aposentados, que alertaram Paris sobre um possível colapso do país devido a suposta frouxidão nas políticas de segurança e anti-extremismo.

O chefe do Estado-Maior do Exército francês, general François Lecointre, sugeriu que os soldados ativos que assinaram uma carta aberta alertando sobre o risco de uma “guerra civil” na França deveriam renunciar às forças armadas.

Na carta ao presidente Emmanuel Macron publicada pela revista francesa Valeurs Actuelles neste domingo, os militares, cujos nomes não foram divulgados, apoiaram um apelo anterior de ex-militares do país, que instavam o governo de Macron a agir contra os perigos do islamismo e fanatismo religioso.

“O passo mais razoável é certamente deixar a instituição para expressar livremente suas idéias e convicções”, disse o chefe do Estado-Maior francês em uma mensagem na terça-feira, em um aparente aceno de cabeça aos soldados que assinaram a segunda carta.

O general não ameaçou impor quaisquer sanções aos militares, mas disse que “nas últimas semanas […] a obrigação de discrição para os membros das forças armadas foi amplamente violada”. Ele também alertou que “todo soldado goza de liberdade de pensamento, mas deve distinguir inequivocamente entre deveres cívicos e militares”.

As declarações ocorreram no momento em que o ministro do Interior francês, Gerald Darmanin, acusou os signatários anônimos da segunda carta de não ousarem colocar seus nomes no documento.


LIVRO RECOMENDADO

Sobre a guerra: A arte da batalha e da estratégia

Obra completa, organizada e comentada por Bruno Colson

  • Napoleão Bonaparte (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“Acredito que quando você está no exército não faz esse tipo de coisa se escondendo. Essas pessoas são anônimas. Isso é coragem? Ser anônimo?”, Disse ele à rede de notícias francesa BFM. Darmanin foi ecoado pela ministra da Defesa francesa, Florence Parly, que afirmou em uma entrevista ao mesmo canal de notícias que a carta era “parte de um esquema político rudimentar”.

“Ele [o documento] usa toda a retórica, vocabulário, tom, e referências que são de extrema direita”, argumentou Parly. O primeiro-ministro da França, Jean Castex, por sua vez, descreveu a carta como uma “manobra política” da “extrema direita”.

Marine Le Pen, a líder do partido francês National Rally, disse que “é claro, sempre há o risco de guerra civil” na França, acrescentando que ela acolheu a segunda carta como havia recebido a primeira. “É evidente que não é um apelo à insurreição. Do contrário, eu não a apoiaria”, acrescentou Le Pen.

Na carta de domingo, os militares escreveram que “vêem a violência em nossas cidades e aldeias” e que também testemunham “o ódio pela França e sua história se tornando a norma”.

“Uma guerra civil está se formando na França e vocês sabem disso perfeitamente”, argumentaram, conclamando as pessoas a agirem para salvar sua pátria e acrescentando que tudo isso é “sobre a sobrevivência do nosso país”.

As reivindicações ocorreram após a Valeurs Actuelles publicar uma carta aberta, assinada por mais de 1.000 militares, incluindo cerca de 20 proeminentes generais aposentados, que advertiram que os perigos do islamismo e do fanatismo religioso podem dividir as comunidades e provocar uma “guerra civil” na França.

Fonte: Sputnik.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

2 comentários

  1. Senhor Albert pode interessar essa materia do The Hill dois dias atras.

    ‘124 retired generals and admirals question Biden’s mental health’

    na busca de google é primeira materia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também