Japão, EUA e França realizam exercícios conjuntos

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
A fragata francesa Surcouf ficará estacionada no Mar do Leste da China (Foto: SCMP).

A fragata francesa Surcouf ficará estacionada no Mar do Leste da China (Foto: SCMP).

Unidades navais e terrestres francesas começaram nesta terça-feira a participar de manobras militares conjuntas com suas contrapartes japonesas e americanas no sul do Japão, com os exercícios simulando uma série de cenários, incluindo defesa de ilhas remotas e interceptação de navios.

Os exercícios de uma semana são a primeira vez que as unidades francesas realizam exercícios no Japão com as forças americanas e japonesas, com analistas sugerindo que são projetados para enviar uma mensagem a uma China cada vez mais expansionista e agressiva.

As manobras estão sendo realizadas na Prefeitura de Nagasaki, no acampamento Ainoura da Força de Autodefesa Terrestre, quartel-general da Brigada de Desdobramento Rápido Anfíbio do Japão.

A unidade, criada em 2018 e inspirada no Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, defende as ilhas remotas do país. Sua base fica a menos de 1.000 km das ilhas Diaoyu, que são reivindicadas por Pequim, mas controladas pelo Japão, que se refere a elas como ilhas Senkaku.

Alguns dos exercícios serão realizados no Campo de Treinamento Kirishima em Kyushu, bem como no mar e no espaço aéreo a oeste da ilha principal mais ao sul do Japão. As tropas das três nações serão treinadas em implantação de helicópteros, operações anfíbias e combate urbano simulado. Eles também praticarão o provimento de ajuda humanitária no caso de um desastre natural.

O Ministério da Defesa francês disse em um comunicado que um grupo anfíbio de prontidão – liderado pelo navio Jeanne d’Arc, e que inclui a fragata Surcouf e o porta-helicópteros de assalto anfíbio Tonnere – estava em uma missão de seis meses que também os levaria ao Vietnã, Singapura, Malásia, Sri Lanka e Indonésia.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

“Esta não é apenas uma missão de treinamento, mas um verdadeiro desdobramento operacional que faz parte da estratégia de defesa da França no Indo-Pacífico”, disse o comunicado. “Esta estratégia pretende reafirmar o interesse da França nessa zona por meio de uma presença fortalecida e intensificação das atividades de cooperação bilateral e regional.”

Além de européia, a França se considera uma nação indo-pacífica e possui cinco territórios e 1,5 milhão de cidadãos na região, com 8.000 soldados permanentemente destacados.

O almirante Pierre Vandier, chefe do estado-maior naval francês, disse em sua visita ao Japão em novembro que a região era importante para a França. “A Nova Caledônia e a Polinésia Francesa fazem parte do território francês, com tropas francesas estacionadas lá”, disse ele em entrevista ao jornal japonês Sankei. “As nações do Indo-Pacífico são nossas vizinhas. O estacionamento de nossas tropas visa garantir a presença da França e a segurança de nossa zona econômica exclusiva na região”, ele acrescentou.

Ele disse esperar que os exercícios aumentem a presença da França na região e “transmitam uma mensagem de cooperação entre a França e o Japão” para Pequim. “Nossa mensagem será direcionada à China”, disse Vandier. “Aumenta a presença da parceria multilateral e passa a mensagem da importância da liberdade de navegação e do cumprimento do direito internacional. Estamos juntos nisso com nossos parceiros Japão, Estados Unidos, Austrália e Índia.”

O Ministério da Defesa francês disse que a implantação foi em parte planejada também para reforçar as sanções internacionais impostas à Coréia do Norte por causa de seus programas de armas nucleares e mísseis balísticos.

Durante sua implantação, o Surcouf ficará estacionado no Mar da China Oriental para potencialmente interditar quaisquer navios suspeitos de realizar transferências de navio para navio em alto mar, em um esforço para contornar as sanções.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

A implantação da frota francesa faz parte de uma maior presença de forças europeias na região, disseram analistas, com um navio de guerra alemão que deve visitar o Japão no verão e uma força-tarefa da Marinha Real Britânica centrada no HMS Queen Elizabeth que deve participar do exercícios com unidades japonesas no final do ano.

“Estamos vendo um aumento nas nações europeias exercendo um maior envolvimento na região, notadamente desde a recente ascensão e agressão da China no Mar da China Meridional”, disse Akitoshi Miyashita, professor de relações internacionais da Universidade Sophia de Tóquio.

“O Japão está empenhado em se envolver não apenas com os EUA em questões de segurança, mas também cada vez mais com algumas das principais potências europeias e o objetivo é enviar uma mensagem à China”, acrescentou. “O Japão certamente espera que esse tipo de visita se torne mais frequente no futuro, mas sinto que vai depender de quanta pressão Pequim exerça sobre esses governos, provavelmente por meio de medidas econômicas”, disse ele.

James Brown, um professor de relações internacionais no campus de Tóquio da Temple University, disse que Pequim pode estar preocupada com a presença cada vez maior de militares de outras nações no Indo-Pacífico, especialmente se isso pode levar a uma expansão informal do Diálogo de Segurança Quadrilateral, que atualmente reúne Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia.

Outra preocupação seria um aumento semelhante na escala e escopo da aliança de inteligência Five Eyes, que une Austrália, Grã-Bretanha, Canadá, Nova Zelândia e os EUA, disse ele. “Haverá alguma forma de resposta da China a esses exercícios”, disse Brown. “Será em grande parte retórico, mas vimos que a ‘diplomacia do guerreiro-lobo’ da China se tornou muito direta em resposta a tudo que Pequim vê como uma ameaça.

“A China pode muito bem estar preocupada com a possibilidade de uma expansão do Quad, mesmo que informalmente, porque vê a aliança diretamente direcionada a ela”, disse ele. Também não terá escapado à atenção de Pequim, disse Brown, que a recente cúpula do G-7 organizada pela Grã-Bretanha viu um foco renovado por muitos dos governos que participam da região Indo-Pacífico, incluindo inevitavelmente na área militar.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também