Expansão da China na África ameaça os EUA a partir do Atlântico, diz general americano

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
General. Stephen Townsend, comandante do Comando da África dos EUA (Foto: Sgt. John Yountz/US Army).

General. Stephen Townsend, comandante do Comando da África dos EUA (Foto: Sgt. John Yountz/US Army).

O general Stephen Townsend, em entrevista à Associated Press, disse que Pequim está procurando estabelecer um grande porto naval capaz de hospedar submarinos ou porta-aviões na costa oeste da África. Townsend disse que a China abordou países que se estendem da Mauritânia ao sul da Namíbia, com a intenção de estabelecer uma instalação naval. Se concretizada, essa perspectiva permitiria à China basear navios de guerra de sua marinha em expansão no Atlântico e no Pacífico.

“Eles estão procurando um lugar onde possam rearmar e reparar navios de guerra. Isso se torna militarmente útil em conflitos”, disse Townsend, que chefia o Comando da África dos EUA. “Eles estão estabelecendo isso no Djibouti. Agora estão olhando para a costa do Atlântico e querendo uma base dessas lá.”

O alerta de Townsend vêm no momento em que o Pentágono muda seu foco das guerras de contraterrorismo das últimas duas décadas para a região do Indo-Pacífico e ameaças de adversários de grandes potências como a China e a Rússia. O governo Biden vê a rápida expansão da influência econômica e do poderio militar da China como o principal desafio de segurança de longo prazo da América.

Comandantes militares dos EUA em todo o mundo, incluindo vários que podem perder tropas e recursos para impulsionar o crescimento no Pacífico, alertam que a crescente assertividade da China não está acontecendo simplesmente na Ásia. E eles argumentam que Pequim está afirmando agressivamente a influência econômica sobre os países da África, América do Sul e Oriente Médio, e está buscando bases e pontos de apoio nesses lugares.

“Os chineses estão superando os EUA em alguns países da África”, disse Townsend. “Projetos portuários, empreendimentos econômicos, infraestrutura e acordos e contratos levarão a um maior acesso no futuro. Eles estão protegendo seus investimentos e fazendo grandes apostas na África”.



A primeira base naval ultramarina da China foi construída anos atrás em Djibouti, no Chifre da África, e está constantemente aumentando sua capacidade. Townsend disse que cerca de 2.000 militares estão na base, incluindo centenas de fuzileiros navais que cuidam da segurança.

“Eles têm armas e munições com certeza. Eles têm veículos de combate blindados. Acreditamos que em breve eles estarão baseando helicópteros lá, incluindo potencialmente helicópteros de ataque”, disse Townsend.

Por algum tempo, muitos pensaram que a China estava trabalhando para estabelecer uma base naval na Tanzânia, um país na costa oriental da África, que mantém uma relação militar forte e de longa data com Pequim. Mas Townsend disse que aparentemente ainda não houve uma decisão sobre isso.

Ele disse que, embora a China esteja se esforçando para conseguir uma base na Tanzânia, não é o local que o preocupa.

“Fica do lado do Oceano Índico”, disse ele. “Eu quero que seja na Tanzânia, em vez de na costa do Atlântico. A costa atlântica me preocupa muito”, disse ele, apontando para a distância relativamente mais curta da costa oeste da África aos EUA. Em milhas náuticas, uma base na costa atlântica do norte da África estaria muito mais perto dos EUA do que as instalações militares na China estão da costa oeste americana.

Mais especificamente, outras autoridades americanas dizem que os chineses estão de olho em locais para um porto no Golfo da Guiné.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O relatório de 2020 do Departamento de Defesa sobre o poder militar da China, disse que a China provavelmente considerou adicionar instalações militares para apoiar suas forças navais, aéreas e terrestres em Angola, entre outros locais. E observou que a grande quantidade de petróleo e gás natural liquefeito importado da África e do Oriente Médio tornam essas regiões uma alta prioridade para a China nos próximos 15 anos.

Henry Tugendhat, analista do Instituto da Paz dos EUA, disse que a China tem muitos interesses econômicos na costa oeste da África, incluindo pesca e petróleo. A China também ajudou a financiar e construir um grande porto comercial em Camarões.

Ele disse que qualquer esforço de Pequim para conseguir um porto naval na costa do Atlântico seria uma expansão da presença militar chinesa. Mas o desejo de acesso ao oceano, disse ele, pode ser principalmente para ganhos econômicos, ao invés de capacidades militares.

Townsend e outros comandantes militares regionais expuseram suas preocupações sobre a China durante as recentes audiências no Congresso. Ele, junto com o almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul dos EUA, e o general Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, estão tentando reter suas forças militares, aeronaves e recursos de vigilância enquanto o Pentágono continua revisando a mudança para competição de poder.

O secretário de Defesa Lloyd Austin está conduzindo uma revisão da postura global para determinar se o poderio militar dos Estados Unidos está posicionado onde precisa estar, e nas quantidades certas, ao redor do mundo para melhor manter o domínio global. Espera-se que essa revisão seja concluída no final do verão americano.

Fonte: Military Times.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também