A OTAN defender a Europa é um sonho impossível

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em coletiva de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas, na Bélgica (Foto: Emmanuel Dunand/AFP/Getty Images).

O Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em coletiva de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas, na Bélgica (Foto: Emmanuel Dunand/AFP/Getty Images).

O trecho do livro publicado na edição impressa de abril do Defense News, Can OTAN defend Europe? Can Europa defend Europe? (sem tradução para o português), não consegue focar na realidade e na urgência de restabelecer uma segurança coletiva confiável na Europa e manter a estabilidade global. Esperançosamente, o próximo livro – Future War and the Defence of Europe, de John R. Allen, Frederick Bed Hodges e Julian Lindley-French – se sai melhor.

Primeiro, acredite nisto: a OTAN não existe mais. O impedimento singular e poderoso à agressão soviética nos anos 1970, 1980 e durante a primeira década de 2000 já não existe mais. Claramente, o nome está lá. Trinta nações se inscrevem e se reúnem regularmente em Bruxelas, mas sua segurança coletiva – o objetivo da aliança – foi garantida pelo poder militar dos EUA e apenas pelo poder militar dos EUA. Acreditar no contrário é acreditar na ficção. Essa base crucial agora se foi.

Na Europa, o efetivo das tropas sob o governo Obama diminuiu 85% desde o auge da Guerra Fria, retirando blindados prontos para o combate e divisões de infantaria prontas para combater as forças soviéticas. Os helicópteros de ataque anti-blindados e de assalto foram removidos, para incluir aeronaves de ataque A-10 da USAF incorporadas para conter as forças blindadas cada vez maiores dos exércitos soviéticos.

De igual importância, a chave para o reforço rápido da OTAN era o transporte aéreo estratégico capaz de inserir tropas e sistemas de armas em sequência, reforçando indiscutivelmente as unidades de combate avançadas dos EUA. Aeronaves de transporte C-5, essenciais para esse reforço, foram reduzidas à metade em números operacionais, e algumas importantes unidades de C-17 de transporte aéreo estratégico foram desativadas.


LIVRO RECOMENDADO

Europa: A luta pela supremacia – De 1453 aos nossos dias

  • Brendan Simms (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Mesmo se tivéssemos as forças necessárias para implantar para o reforço da OTAN, agora não poderíamos tê-las com força suficiente para se juntar à batalha, se o presidente russo Vladimir Putin agisse rapidamente.

O reforço da OTAN pelos Estados Unidos é agora – para o cidadão europeu médio – uma questão de credibilidade, levada ao primeiro plano com a anexação da Península da Crimeia por Putin; a invasão ameaçadora da Ucrânia; o programa de rearmamento de $ 400 bilhões; o rápido desdobramento demonstrado de forças táticas para contrapor exercícios da OTAN; sobrevoos de aeronaves desafiando o espaço aéreo das nações da OTAN; e avistamentos de submarinos russos rondando Helsinque, na Finlândia.

Hoje, nossa força terrestre desdobrável no “mundo real” para reforçar a OTAN consiste em brigadas prontas para combate muito limitadas, talvez uma única divisão, deixando Putin em posição de ameaçar a Estônia, Letônia, Lituânia ou Polônia à vontade e com total impunidade, assim como fez ao anexar duas províncias da Geórgia em 2009 e a Crimeia em 2014.

Vale a pena acrescentar que, em um determinado momento, o poder militar dos EUA na Europa poderia ser rapidamente implantado no Oriente Médio e provou ser um impedimento realista para as manobras russas naquele teatro e no continente africano. Não mais.

Se alguém contasse com uma interação diplomática bem-sucedida entre as nações da OTAN e a Rússia, é melhor pensar novamente. Acreditar que uma diplomacia bem-sucedida na Europa pode ser conduzida a menos que seja apoiada por um poder militar esmagador, com o pleno entendimento de todos os participantes de que a força será usada se a diplomacia falhar, também seria ficção. Nesse contexto, a diplomacia dos EUA que trata de questões militares hoje não tem dentes – pouco mais do que uma fábula e sem valor contra sua contraparte russa apoiada por poderosas forças russas. A OTAN, emasculada pela ausência de poder militar dos EUA, não representa uma grande ameaça para Vladimir Putin.


LIVRO RECOMENDADO

Prisioneiros da geografia: 10 mapas que explicam tudo o que você precisa saber sobre política global

  • Tim Marshall (Autor)
  • Em Português
  • Kindle ou Capa comum

Além disso, a estabilidade europeia e global foi mantida perante a administração Obama por uma capacidade nacional bem conhecida: que os Estados Unidos poderiam conduzir várias guerras simultaneamente com a garantia de derrotar o inimigo em cada uma. Isso tornou a diplomacia dos EUA possível e bem-sucedida.

Não é mais assim.

A retirada americana de forças da OTAN tem implicações diplomáticas globais muito maiores, uma vez que trouxe o foco para o “Pivô da Ásia” estratégico do governo Obama, na verdade um monólogo vazio, já que as forças a serem usadas para apoiar os esforços diplomáticos dos EUA na Ásia eram tão inexpressivas quanto aquelas em um momento designado para reforçar a OTAN.

Até este ponto, apenas a restauração do poder militar americano anterior à OTAN evitará uma futura agressão russa e restaurará a credibilidade diplomática na Europa e em todo o mundo. A realidade está se estabelecendo, embora tarde demais, que o “elefante na sala” agora é Vladimir Putin e a Rússia; e os Estados Unidos, com poucas flechas restantes em sua aljava – militar ou diplomática – têm muito menos impacto sobre os resultados históricos nessas regiões do que em anos anteriores.

Este resumo, então, é o que está faltando no trecho do livro. Falta especificamente a sensação clara e urgente de que a OTAN hoje não pode defender a Europa, e nem a Europa pode defender a Europa, a menos que grandes mudanças sejam feitas refletindo o compromisso dos EUA com a aliança em termos de incorporação de poder militar bruto, contrabalançando a Rússia ao longo de suas fronteiras ocidentais e restaurando um corpo diplomático que reflete os interesses nacionais dos EUA em oposição aos de Putin.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também