Em discurso ao Congresso, Biden pede apoio e alerta sobre ameaça chinesa

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente dos EUA, Joe Biden, discursa em sessão conjunta do Congresso americano em 28 de abril de 2021 (Foto: Associated Press).

O presidente dos EUA, Joe Biden, discursa em sessão conjunta do Congresso americano em 28 de abril de 2021 (Foto: Associated Press).

O presidente dos EUA, Joe Biden, propôs um novo plano de US$ 1,8 trilhão em um discurso em uma sessão conjunta do Congresso na quarta-feira, pedindo aos legisladores republicanos que trabalhem com ele em questões divisivas e enfrentem a dura competição representada pela China.

Impulsionando uma visão de mais investimento governamental financiado pelos ricos, o presidente democrata pediu aos republicanos que até agora se opuseram firmemente a ele que ajudassem a aprovar uma ampla gama de legislações contenciosas, de impostos a reforma policial, controle de armas e imigração.

Os republicanos ficaram em silêncio durante o discurso, enquanto os democratas aplaudiam enquanto Biden falava.

Biden, que assumiu o cargo em janeiro, também fez um apelo veemente para aumentar os impostos sobre corporações e americanos ricos para ajudar a pagar seu “Plano de Famílias Americanas” de US$ 1,8 trilhão.

“É hora de a América corporativa e o 1% dos americanos mais ricos pagarem sua parte justa – apenas paguem sua parte justa”, disse Biden.

Ele fez seu apelo na Câmara dos Representantes em um evento reduzido este ano por causa da pandemia, removendo sua máscara para falar a um grupo de cerca de 200 legisladores democratas e republicanos, outras autoridades e convidados.

Biden está tentando navegar entre os republicanos que se opõem a mais gastos e aos aumentos de impostos necessários para pagar por isso, e os democratas liberais que querem que ele defenda planos mais agressivos.

Ele disse que está disposto a trabalhar com legisladores de ambos os partidos para chegar a um acordo e que se reunirá com os principais legisladores democratas e republicanos na Casa Branca em 12 de maio para tentar encontrar um terreno comum.

Não está claro se Biden realmente conseguirá convencer os republicanos, com o Congresso polarizado e os democratas detendo apenas uma pequena maioria.

Ele havia prometido ao longo da campanha presidencial de 2020 trabalhar com os republicanos, mas sua principal conquista legislativa, um plano de estímulo à pandemia de US$ 1,9 trilhão, foi aprovado sem nenhum voto republicano.


LIVRO RECOMENDADO:

A guerra da independência dos Estados Unidos da América: 1775-1783

  • Richard Middleton (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Os republicanos no Congresso já estão de olho em obter ganhos nas eleições legislativas de meio de mandato em 2022 e estão alinhando um partido dividido em torno de Biden. Muitos questionam a sabedoria de adotar políticas de gastos mais agressivas do que a maioria dos aliados ou rivais de Biden esperava.

A Casa Branca espera que pelo menos alguns republicanos cedam à vontade popular. As pesquisas mostram que a maioria dos americanos apóia o aumento do investimento em escolas, educação e infraestrutura, e maior tributação aos ricos.

A resposta republicana inicial ao seu discurso foi cética e um tanto desdenhosa.

“Essa coisa toda poderia ter sido apenas um e-mail”, disse o deputado Kevin McCarthy, o principal republicano na Câmara, em um tweet.

A esquerda democrata, por outro lado, queria mais. Jamaal Bowman, democrata, disse que a proposta de Biden é importante “mas não tão grande quanto realmente precisaríamos para resolver a crise de empregos, clima e saúde”.

Biden disse que a América está “em movimento novamente”. “Enfrentamos um abismo de insurreição e autocracia – de pandemia e dor – e ‘nós, o povo’ não recuamos”, disse ele. “No exato momento em que nossos adversários estavam certos de que nos separaríamos e fracassaríamos, nos unimos.”

Biden argumentou que suas propostas para famílias e infraestrutura, que juntas totalizam cerca de US$ 4 trilhões, representam um investimento único em uma geração vital para o futuro da América.

“Hoje à noite, venho falar sobre crise – e oportunidade”, disse ele. “Sobre reconstruir nossa nação – e revitalizar nossa democracia. E ganhar o futuro para a América.”

Os republicanos dizem que a maior parte dos gastos visa satisfazer a base liberal de Biden e que os planos do presidente equivalem ao socialismo.

Biden disse que os planos de gastos são necessários para acompanhar a China, que ele e seu governo vêem como o grande desafio estratégico.

“A China e outros países estão se aproximando rapidamente”, disse ele, acrescentando que passou muito tempo conversando com o presidente chinês Xi Jinping.

“Ele está muito empenhado em se tornar a nação mais significativa e importante do mundo. Ele, e outros autocratas, acham que a democracia não pode competir com as autocracias no século XXI. Leva muito tempo para se obter consenso.”



REVISÃO DO IMPOSTO PROPOSTO

O plano de Biden inclui US$ 1 trilhão em gastos com educação e creches ao longo de 10 anos e US$ 800 bilhões em créditos fiscais destinados a famílias de média e baixa renda. Ele também inclui US$ 200 bilhões para a pré-escola universal gratuita e US$ 109 bilhões para a faculdade comunitária gratuita, independentemente da renda, por dois anos, disse a Casa Branca.

O Plano das Famílias Americanas e o plano de infraestrutura e empregos que a Casa Branca apresentou no início deste mês podem representar a transformação governamental mais significativa da economia em décadas.

Para pagar pelos planos, Biden propôs uma revisão do sistema tributário dos EUA, incluindo o aumento da taxa marginal de imposto para os americanos mais ricos de seus atuais 37% para 39,6%.

Biden propôs quase dobrar o imposto sobre a renda de investimentos – conhecido como ganhos de capital – para os americanos que ganham mais de US$ 1 milhão. O plano de infraestrutura de mais de US$ 2 trilhões será financiado por um aumento nos impostos corporativos.

A notícia da proposta de imposto sobre ganhos de capital fez com que os mercados de ações caíssem brevemente na semana passada.

O senador republicano dos EUA, Tim Scott, argumentou em sua refutação ao discurso de Biden que as propostas prejudicariam o crescimento econômico de longo prazo. “Nosso melhor futuro não virá de esquemas de Washington ou sonhos socialistas. Virá de vocês – o povo americano”, disse Scott.

Ele também argumentou que a presidência de Biden está se beneficiando de uma recuperação econômica para a qual Trump, um republicano, preparou o cenário.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também