Presidente ucraniano convida Putin para encontro em Donbass

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visita posições das forças armadas perto da linha de frente com separatistas apoiados pela Rússia na região de Donbass, Ucrânia, em 9 de abril de 2021 (Foto: Serviço de Imprensa da Presidência da Ucrânia/via Reuters).

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visita posições das forças armadas perto da linha de frente na região de Donbass, Ucrânia, em 9 de abril de 2021 (Foto: Serviço de Imprensa da Presidência da Ucrânia/via Reuters).

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, convidou na terça-feira seu homólogo russo, Vladimir Putin, para se reunir “em qualquer local” na região de Donbass, leste da Ucrânia, atingida pelo conflito.

Em um discurso em vídeo divulgado na terça-feira, Zelensky disse que os assessores dos líderes do Quarteto da Normandia (Alemanha, Rússia, Ucrânia e França), bem como o subgrupo de segurança do Grupo de Contato para a reconciliação da Ucrânia, discutiram a restauração do cessar-fogo total em Donbass na segunda e na terça-feira.

“Foi feita a proposta de nos reunirmos na linha de contato para ver e entender a situação da melhor maneira possível. O que devo entender? Visito todos os meses. Sr. Putin, estou pronto para ir mesmo mais adiante e convidá-lo a se reunir em qualquer local do Donbass, atingido pelo conflito na Ucrânia”, disse ele.

Dirigindo-se à Rússia, o líder ucraniano disse que Moscou e Kiev têm visões diferentes sobre seu futuro, mas isso deve ser tratado como uma oportunidade e não como um problema.

“Apesar de um passado comum, a Rússia ucraniana tem opiniões diferentes sobre o futuro”, disse ele. “Mas isso não é necessariamente um problema, é uma oportunidade.”

Zelensky havia declarado estar pronto para se reunir com Putin em dezembro de 2020, para discutir, entre outras coisas, uma troca de pessoas detidas.

Fonte: Tass / Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também