Irã culpa Israel por paralisação da usina nuclear de Natanz e jura vingança

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
A instalação de enriquecimento de urânio de Natanz, localizada 250 km ao sul de Teerã (Foto: Raheb Homavandi/Reuters).

A instalação de enriquecimento de urânio de Natanz, localizada 250 km ao sul de Teerã (Foto: Raheb Homavandi/Reuters).

O Irã culpa o arqui-inimigo regional Israel por um incidente de sabotagem em sua principal instalação nuclear de Natanz e se vingará, disse o ministro das Relações Exteriores da TV estatal, no que parecia ser o mais recente episódio de uma longa guerra secreta.

O site semi-oficial Nournews do Irã disse que a pessoa que causou uma queda de eletricidade em uma das salas de produção da planta subterrânea de enriquecimento de urânio foi identificada. “Estão sendo tomadas as medidas necessárias para prender essa pessoa”, informou o site, sem dar detalhes sobre sua identidade.

O incidente ocorreu em meio a esforços diplomáticos do Irã e dos Estados Unidos para reviver o acordo nuclear de Teerã com as grandes potências de 2015, um acordo ao qual Israel se opôs veementemente, depois que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, o abandonou três anos atrás.

Na semana passada, o Irã e as potências globais mantiveram o que descreveram como conversas “construtivas” para salvar o acordo, que se desfez quando o Irã violou os limites de enriquecimento de urânio sensível desde que Trump voltou a impor sanções severas a Teerã.

As autoridades iranianas descreveram o incidente do dia anterior como um ato de “terrorismo nuclear” e disseram que Teerã se reservou o direito de tomar medidas contra os perpetradores.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, culpou explicitamente Israel. “Os sionistas querem se vingar por causa do nosso progresso na forma de suspender as sanções… Eles disseram publicamente que não permitiriam isso. Mas vamos nos vingar dos sionistas”, disse Zarif, citado pela TV estatal.

Vários meios de comunicação israelenses citaram fontes de inteligência não identificadas, dizendo que o serviço de espionagem do país, Mossad, realizou uma operação de sabotagem no complexo subterrâneo de Natanz, potencialmente atrasando o trabalho de enriquecimento em meses. Israel não comentou formalmente o incidente.

“A resposta do Irã será uma vingança contra o regime sionista em seu lugar e tempo”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Saeed Khatibzadeh, em entrevista coletiva na segunda-feira.

CENTRÍFUGAS AVANÇADAS

O incidente ocorreu um dia depois de Teerã, que insistiu que deseja apenas energia nuclear pacífica e não armas nucleares, iniciou novas centrífugas de enriquecimento avançado em Natanz.

Khatibzadeh disse que o incidente pode ser considerado um “ato contra a humanidade”, acrescentando que não causou “nenhuma contaminação ou vítimas” no local.

“Nossos especialistas nucleares estão avaliando os danos, mas posso garantir que o Irã substituirá as centrífugas de enriquecimento de urânio danificadas em Natanz por outras avançadas”, disse Khatibzadeh.

“Todas as centrífugas que saíram do circuito no site de Natanz eram do tipo IR1”, disse ele, referindo-se à primeira geração de máquinas de enriquecimento do Irã mais vulneráveis ​​a interrupções.

O incidente também coincidiu com uma visita a Israel do Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, que prometeu o apoio do governo Biden ao seu aliado no Oriente Médio. “Estou empenhado em continuar nossas consultas sobre as ameaças apresentadas pelo Irã e em fortalecer a segurança de Israel”, Austin tuitou na noite de domingo.

Ao mesmo tempo, apesar da forte oposição israelense, o governo do presidente Joe Biden está empenhado em voltar ao acordo nuclear de 2015 se o Irã voltar a cumprir integralmente as restrições ao enriquecimento de urânio.

O Departamento de Estado dos EUA disse na sexta-feira que espera que as negociações do grupo de trabalho sejam retomadas na próxima semana, com as delegações retornando às suas capitais atualmente para consultas.

Houve avanços na diplomacia nuclear, disseram os delegados na sexta-feira, mas as autoridades iranianas mencionaram desacordo com Washington sobre quais sanções devem ser levantadas para um novo acordo.

Um alto funcionário do governo Biden disse que Washington não teve nenhum envolvimento no incidente de Natanz. “Não temos nada a acrescentar às especulações sobre as causas”, disse o funcionário.

Em uma cerimônia no domingo, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu não fez nenhuma referência direta a Natanz, embora tenha dito: “A luta contra a nuclearização do Irã … é uma tarefa gigantesca.”

Houve episódios esporádicos de sabotagem e interrupções em instalações nucleares iranianas por mais de uma década, pelos quais Teerã culpou Israel, que considera o programa nuclear iraniano uma ameaça à sua existência.

Em 2010, o vírus de computador Stuxnet, amplamente considerado como tendo sido desenvolvido pelos Estados Unidos e Israel, foi descoberto depois que foi usado para atacar Natanz, causando quebras prejudiciais de cascatas de centrifugação que refinam o urânio.

Em julho do ano passado, eclodiu um incêndio em Natanz que o Irã disse ter sido uma tentativa de sabotar sua atividade de enriquecimento.

O Irã também acusou Israel de responsabilidade pela emboscada em novembro passado, fora de Teerã, matando Mohsen Fakhrizadeh, que foi considerado pelos serviços de inteligência ocidentais como o mentor de um programa secreto de armas nucleares iranianas. Israel não confirmou nem negou envolvimento.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a RússiaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também