Rússia fortalece fronteira em meio a tensões crescentes em Donbass

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto: Sergei Malgavko/Tass.

Foto: Sergei Malgavko/Tass.

Kiev diz que é indesejável expandir os cenários militares no sudeste da Ucrânia, mas as tensões perto da fronteira na Crimeia e Donbass estão aumentando. No dia anterior, trocas de morteiros foram relatadas nos subúrbios de Donetsk e nos arredores de Lugansk. Kiev está utilizando projéteis de morteiro de 120 mm proibidos pelos acordos de Minsk. O que está acontecendo agora só pode aumentar as preocupações de Moscou, segundo o jornal russo Nezavisimaya Gazeta.

Embora a liderança em Moscou tenha declarado que não planeja intervir no conflito na Ucrânia, o Ministério da Defesa da Rússia está reforçando suas tropas e forças navais na direção estratégica do sudoeste.

A seriedade de tais intenções é demonstrada, por exemplo, pelo anúncio oficial dos militares russos de que manobras estão ocorrendo em toda a Rússia, segundo o jornal. Ao mesmo tempo, a imprensa dá atenção prioritária aos exercícios e sessões de avaliação, juntamente com as marchas de vários quilômetros que acontecem nas regiões fronteiriças com a Ucrânia.

O especialista militar tenente-general Yuri Netkachev disse à Nezavisimaya Gazeta que “essas transferências em grande escala de tropas e forças navais estão ocorrendo não apenas na parte ocidental do país, mas em toda a Rússia”, são todas planejadas, ou seja, não são associada à recente intensificação da situação de conflito no Donbass. “No entanto, não há dúvida de que a Rússia avaliou adequadamente a situação. Nossos líderes militares admitem a possibilidade da agressão militar de Kiev em Donbass e na Crimeia”, acrescentou Netkachev. Nesse sentido, o fortalecimento da Frota do Mar Negro no sul do país, em sua opinião, claramente não causa nenhum dano.

O presidente do Sindicato do Pessoal Militar da Rússia, capitão Oleg Shvedkov, compartilha opinião semelhante. Ele disse ao jornal que é mais provável que “embarcações de desembarque sejam transferidas do Cáspio para o Mar Negro”, fato que realmente vem ocorrendo.

Fonte: Tass.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também