Militares dos EUA querem se adiantar a operações russas “mais complexas”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Um F-22 da Força Aérea dos EUA baseado no Alasca intercepta um bombardeiro russo Tu-95 em 9 de junho de 2020 (Foto: NORAD).

Um F-22 da Força Aérea dos EUA baseado no Alasca intercepta um bombardeiro russo Tu-95 em 9 de junho de 2020 (Foto: NORAD).

A atividade russa no Ártico está cada vez mais complexa, disse o chefe do Comando Norte dos Estados Unidos. O general Glen VanHerck disse que seu comando está procurando “usar mensagens estratégicas para criar um efeito de dissuasão”.

Em uma entrevista em abril de 2020, um piloto de F-22 encarregado de responder a esses voos russos disse à Insider que eles eram “parte de uma investigação contínua” para “avaliar nossa resposta e nossa capacidade de sair e encontrá-los”.

Esses voos russos foram menos frequentes do que no início de 2020, mas continuaram. O NORAD disse em 25 de janeiro e novamente em 29 de março que rastreou aeronaves de patrulha Tu-142 na ADIZ (a ADIZ se estende muito além do espaço aéreo territorial, no qual nenhuma dessas aeronaves entrou).

Em 18 de fevereiro, o NORAD postou um tweet atribuído a VanHerck dizendo que estava “ciente dos avanços de aeronaves militares russas” e que “está pronto, como sempre, para responder apropriadamente”.

A Rússia implantou aeronaves e outros equipamentos militares na região nos últimos meses, assim como os EUA, mas o tweet do NORAD não especificou quais aeronaves ou onde. VanHerck disse na quarta-feira que o tweet refletia “como estamos mudando a forma como abordamos essa competição, com franqueza”.

O general disse que está criando opções de dissuasão. “Trata-se de dar espaço de decisão aos líderes seniores”, disse VanHerck. “O fato de você poder dizer a um competidor que está ciente de suas atividades e potenciais intenções nos dá a oportunidade de posicionar forças ou usar mensagens estratégicas para criar um efeito de dissuasão”, acrescentou VanHerck.

‘Atividade significativa’

A mudança climática está tornando o Ártico mais acessível à atividade humana e as operações militares estão aumentando. As marinhas dos EUA e da OTAN têm estado mais ativas lá nos últimos meses – a marinha britânica completou seu primeiro exercício no Ártico em 2021 no final de março. A Força Aérea dos EUA tem voado mais perto das fronteiras russas no Ártico Europeu, onde a Rússia tem bases militares sensíveis.

A Rússia, que tem a costa ártica mais longa do mundo e espera se beneficiar de mais atividades por lá, há anos vem reformando e atualizando radares, bases aéreas e outras instalações na região, onde a defesa aérea é uma preocupação principal.

O chefe da marinha russa, almirante Nikolai Yevmenov, disse em 26 de março que jatos MiG-31 haviam sobrevoado o Pólo Norte pela primeira vez e reabastecido no ar. Yevmenov também disse que três submarinos com propulsão nuclear emergiram no gelo ártico “em um espaço limitado” pela primeira vez na história da força.

Esses exercícios submarinos, como o aparecimento de um submarino americano na Noruega no ano passado, costumam ser interpretados como mensagens. “Esses treinamentos de combate, pesquisas e medidas práticas demonstraram as habilidades e preparação da Marinha russa para operar nas duras latitudes do norte”, disse o presidente russo, Vladimir Putin, no mês passado, acrescentando que esse trabalho “deve ser continuado”.

Em meio a esses exercícios árticos, ocorreu o que a OTAN chamou de “um pico incomum de voos” de aeronaves russas pela Europa em 29 de março. Aviões de combate dos militares da OTAN interceptaram seis grupos de aviões russos em menos de seis horas.

“Na última semana ou assim, houve atividade significativa no Ártico” no ar, no mar e no submarino, disse VanHerck na quarta-feira. “Mais uma vez, atribuo isso a uma competição em andamento.”

Essa atividade estava fora da área de responsabilidade de VanHerck, mas ele disse que estava ciente disso e enfatizou o treinamento e a cooperação de seu comando com as forças da OTAN e dos EUA na Europa.

“Recentemente, concluímos nosso exercício ‘Amalgam Dart’. Temos o ICEX, outro exercício, que está por vir”, disse VanHerck, referindo-se a um exercício de defesa aérea do NORAD e um exercício submarino da Marinha, ambos no Ártico.

“Fizemos uma parceria estreita com a OTAN e [o Comando Europeu] na … condução de operações que mostram nossa capacidade”, acrescentou VanHerck.

Fonte: Business Insider.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também