Boeing encoraja os EUA a separar questões de comércio e direitos humanos da China

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O logotipo da Boeing retratado na feira Latin American Business Aviation Conference & Exhibition (LABACE) no Aeroporto de Congonhas em São Paulo, Brasil, 14 de agosto de 2018 (Paulo Whitaker/Reuters).

Logotipo da Boeing retratado na feira Latin American Business Aviation Conference & Exhibition (LABACE) no Aeroporto de Congonhas em São Paulo, Brasil, 14 de agosto de 2018 (Paulo Whitaker/Reuters).

A Boeing instou os Estados Unidos na quarta-feira a manter os direitos humanos e outras disputas separadas das relações comerciais com Pequim, e alertou que a rival europeia Airbus ganharia vantagens se o fabricante de aviões dos EUA fosse impedido de entrar na China.

O presidente-executivo, Dave Calhoun, disse em um fórum de negócios online que acredita que uma grande disputa sobre subsídios de aeronaves com a Europa poderia ser resolvida após 16 anos de disputas na Organização Mundial do Comércio, mas comparou isso com a perspectiva da China.

“Acho que politicamente (China) é mais difícil para este governo e foi para o governo passado. Mas ainda temos que negociar com nosso maior parceiro do mundo: a China”, disse ele à Cúpula de Aviação da Câmara de Comércio dos EUA.

Observando várias disputas, ele acrescentou: “Espero que possamos separar a propriedade intelectual, os direitos humanos e outras coisas do comércio e continuar a encorajar um ambiente de livre comércio entre esses dois gigantes da economia. …Não podemos ficar fora desse mercado. Nosso concorrente entrará imediatamente.”

A Boeing e a Airbus vendem cada uma cerca de um quarto de seus jatos para a China, que ultrapassou os Estados Unidos como o maior mercado doméstico de viagens do mundo. A China normalmente faz compras em bloco para jatos importados, muitas vezes coincidindo com visitas diplomáticas nos EUA ou na Europa.

A Boeing começou a enfrentar dúvidas sobre sua participação no mercado chinês enquanto os Estados Unidos e a China travavam uma guerra comercial de 18 meses sob o então presidente Donald Trump, embora as compras de jatos da China tenham diminuído em toda a linha nos últimos anos.

Cada vez mais Pequim também enfrenta tensões com o Ocidente por causa do tratamento dado às minorias étnicas e religiosas em Xinjiang, e alertou as empresas estrangeiras para não entrarem na política.

A China rejeita as acusações dos EUA de ter cometido genocídio contra uigures e outros muçulmanos na remota região oeste, onde ativistas dizem que mais de um milhão de pessoas estão mantidas em campos de internamento.

A Casa Branca e o Representante de Comércio dos EUA não responderam imediatamente aos pedidos de comentários sobre os comentários de Calhoun.

China revisando o 737 MAX

O presidente Joe Biden alertou no mês passado que a China enfrentaria “repercussões” por abusos de direitos humanos e disse que os Estados Unidos reafirmariam seu papel global ao se manifestar sobre tais questões.

As preocupações mais urgentes da Boeing na China, dizem analistas, incluem o destino de seu jato de passageiros 737 MAX, que ficou em terra por quase dois anos após dois acidentes fatais.

Os reguladores dos EUA aprovaram o jato para voar novamente em novembro, seguido pela Europa e os principais mercados além da China, cujo regulador continua a expressar grandes preocupações com a segurança.

A China prometeu uma abordagem “passo a passo” para aprovar o avião, mas fontes da indústria ocidental dizem que crescem as preocupações de que o processo técnico possa ficar atolado no crescente impasse diplomático entre Pequim e Washington.

Calhoun disse que a Boeing realizou uma revisão “de cima para baixo” e “virou o lugar de cabeça para baixo” enquanto aprendeu internamente lições com os acidentes, que mataram 346 pessoas.

Os comentários pareciam projetados para dissipar as preocupações de legisladores e líderes da indústria, incluindo o chefe da companhia aérea Emirates de Dubai, que disse à Reuters em janeiro que a Boeing deveria reconhecer “culpa e responsabilidade de cima abaixo” sobre o MAX.

O presidente da companhia aérea, Tim Clark, disse estar confiante de que o jato redesenhado é seguro.

A Boeing pediu na semana passada a rejeição de um processo de investidores que afirma que o conselho da Boeing, onde Calhoun serviu por uma década antes de se tornar CEO em 2020, falhou em monitorar a segurança. Negou negligência e disse que a denúncia ignorou os controles corporativos.

A Boeing disse separadamente aos funcionários que as métricas de segurança e qualidade serão adicionadas a um plano geral de compensação de incentivos, de acordo com um memorando visto pela Reuters.

Fonte: Agência Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. O interesse do governo chinês é numa cooperação bilateral que esbarra na forte atitude imperialista dos EEUU com invasões militares após sanções comerciais.
    Atitude inclusive apoiada por Países da UE como já acontece com o programa em ação da internacionalização da Amazônia.
    A China quer paz e os EEUU guerra.
    Inclusive com uso de mídia direcionada para demonizar a China no Brasil e no mundo.
    O ódio espalhado no Brasil contra a China é parte dessa situação.
    E,infelizmente, tem conseguido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também