Quem comandará o exército líbio após o acordo politico?

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa-Libia

Foto: Agência Anadolu.

A formação de um novo Conselho da Presidência e de um governo de unidade nacional na Líbia representou um passo importante para a unificação do país e suas instituições. Essa unidade, no entanto, não será concluída até que o estabelecimento militar, ao lado de todas as suas brigadas, esteja unido sob um único comando.

Em 5 de fevereiro, os delegados líbios elegeram Mohammad Menfi do leste para chefiar um Conselho da Presidência de três membros composto por Mossa Al-Koni e Abdullah Al-Lafi representando as regiões oeste e sul, respectivamente.

Os três representam o comando supremo do exército, cujas decisões devem ser tomadas por unanimidade, conforme estipulado no acordo político. É a primeira vez desde 2014 que as três regiões do país – Trípoli, Cirenaica e Fezzan – concordam com um comandante-em-chefe.

Corrida pelas principais posições de defesa

Rivais políticos no leste e no oeste têm competido pelo ministério da defesa, uma posição-chave para quem busca controlar o exército. Para preparar o caminho para consultas sobre o assunto, o primeiro-ministro da Líbia, Abdul Hamid Dbeibeh, chefiou temporariamente o ministério até que o Conselho da Presidência defina um candidato.

Dbeibeh prometeu apoiar o comitê militar conjunto 5+5, composto por cinco representantes do Ocidente e cinco representantes do Oriente para garantir a continuidade do cessar-fogo assinado entre o governo e as forças do general renegado Khalifa Haftar em 23 de outubro em Genebra.

Uma das tarefas do primeiro-ministro é unificar o exército o mais rápido possível.

Mudança é mais fácil no oeste do que no leste

Desde a formação do Governo de Acordo Nacional com base em Trípoli (GNA) em 2016 chefiado por Fayez Al-Sarraj, o governo internacionalmente reconhecido teve dois ministros da defesa e quatro chefes de gabinete, sendo o último Muhammad al-Haddad, que foi o chefe de gabinete desde 2020.

Em contraste, a situação no leste da Líbia tem sido diferente com o senhor da guerra Haftar comandando o exército desde 2014, com Abdul-Razzaq Al-Nazuri como chefe do estado-maior de sua milícia.

Aí reside a dificuldade de integrar as milícias leais a Haftar, conhecidas por seus crimes de guerra, no exército líbio unificado em comparação com as brigadas mais disciplinadas da região oeste, acostumadas a responder a uma autoridade civil.

Maior obstáculo de Haftar

Da forma como está, o exército da Líbia no oeste é liderado por al-Haddad, enquanto as milícias de Haftar mantêm o controle do leste. Haftar frustrou os esforços de al-Haddad para construir um exército unificado e disciplinado e procurou usar a força para controlar todo o país desde 2014.

No entanto, o recente reconhecimento do porta-voz da milícia de Haftar, Ahmed Al-Mesmari, do Conselho da Presidência como comandante supremo do exército reflete um progresso importante em direção à unificação do exército.

Haftar foi forçado a um recuo político após ameaças de sanções por parte da comunidade internacional e das Nações Unidas se continuar a sabotar o acordo, bem como seu fracasso na ofensiva em Trípoli e temores de processo pelo Tribunal da Virgínia nos EUA.

No entanto, este recuo pode ser um movimento tático do líder do golpe, conforme sugerido por seu comportamento na forma como recebeu alguns dos líderes do governo de unidade recentemente formado.

Al-Nazuri substituirá Haftar?

Em uma reunião realizada em meados de março, as tribos de Burqa na cidade oriental de Al-Abyar surpreendentemente exigiram que a nova autoridade executiva nomeasse Al-Nazuri como chefe do estado-maior do exército unificado.

Al-Nazuri, que atualmente é o chefe do estado-maior da milícia de Haftar, tem o apoio de Aguila Saleh, o porta-voz do Parlamento de Tobruk, e espera que, ao formar uma aliança com Saleh, ele consiga o apoio de algumas das maiores tribos do leste.

Esta aliança político-militar está tentando formar um bloco paralelo a Haftar, especialmente no caso de Haftar deixar a cena política por doença ou por não ter sido nomeado para o cargo de comandante do exército ou ministro da defesa no recém-formado governo de unidade nacional.

Com sua influência nas tribos do leste que se estendem até a fronteira com o Egito, uma aliança entre Al-Nazuri e Saleh provavelmente isolará Haftar politicamente, especialmente considerando que as tribos do leste consideram Haftar e sua comitiva, que vêm da tribo Al Furjan do oeste, como intrusos.

Nesse caso, se Al-Nazuri for nomeado chefe do Estado-Maior, o Ministério da Defesa ficará com uma figura do oeste da Líbia, e particularmente de Misrata, já que possui a maior força militar da região oeste. Isso significa que Haftar não terá nenhum papel oficial na fase de transição.

A ausência de Haftar da cena política provavelmente acelerará o processo de unificação do exército. No entanto, sua insistência em ser o chefe do estabelecimento militar unificado provavelmente complicará todo o processo.

Fonte: Agência Anadolu.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também