Coreia do Norte dispara dois mísseis de curto alcance; EUA seguem abertos ao diálogo

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
EUA minimizam testes norte-coreanos (quadro capturado de vídeo Reuters).

EUA minimizam testes norte-coreanos (quadro capturado de vídeo Reuters).

A Coréia do Norte disparou dois mísseis de curto alcance no fim de semana, disseram autoridades norte-americanas e sul-coreanas, mas Washington minimizou os primeiros testes realizados sob o comando do presidente Joe Biden e disse que ainda está aberto ao diálogo com Pyongyang.

Os testes norte-coreanos envolveram sistemas de armas na extremidade inferior do espectro que não foram cobertas pelas proibições de testes do Conselho de Segurança da ONU, disseram dois altos funcionários do governo Biden em uma teleconferência na terça-feira.

O Estado-Maior Conjunto da Coréia do Sul (JCS) disse que dois mísseis de cruzeiro foram disparados da cidade de Onchon, na costa oeste da Coréia do Norte, na manhã de domingo.

A Coreia do Sul detectou sinais de que um teste era iminente e o estava monitorando em tempo real, disse um funcionário do JCS a repórteres na quarta-feira. O JCS relata os testes da Coreia do Norte com armas avançadas, como bombas nucleares e mísseis balísticos, quase em tempo real, mas não alguns testes de armas de menor grau e alcance mais curto.

O lançamento marca o primeiro teste de armas publicamente conhecido da Coreia do Norte desde que Biden assumiu o cargo em janeiro. Mas Biden minimizou o teste, dizendo que “nada mudou muito”, enquanto um oficial sênior dos EUA disse que era um teste “normal” e alertou contra “exagerar”.

“Não, de acordo com o Departamento de Defesa, é business as usual. Não há nenhuma novidade no que eles fizeram”, disse Biden aos repórteres ao retornar de uma visita a Ohio, quando questionado se o teste foi uma provocação.

O Pentágono se recusou a comentar sobre o teste, que foi relatado pela primeira vez pelo Washington Post. A missão da Coreia do Norte nas Nações Unidas não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A resposta da China foi igualmente silenciada. “Pedimos a todas as partes que continuem o diálogo e as consultas, trabalhem juntos para manter a situação calma”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, em uma entrevista coletiva regular em Pequim na quarta-feira.

Revisão da política em “estágios finais”

O teste veio poucos dias depois que o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, prometeu trabalhar para desnuclearizar a Coreia do Norte e criticou seus abusos “sistêmicos e generalizados” dos direitos humanos enquanto estava em Seul com o Secretário de Defesa dos EUA.

A Coreia do Norte se recusou a se envolver nas repetidas aberturas diplomáticas dos EUA nos bastidores desde meados de fevereiro, chamando-as de “truque barato”.

Altos funcionários dos EUA disseram que a revisão da política do governo da Coreia do Norte estava em seus “estágios finais” e iria receber os assessores de segurança nacional dos aliados Japão e Coreia do Sul na próxima semana para discutir o assunto.

As autoridades disseram que houve “muito pouco diálogo ou interação” com a Coreia do Norte desde uma cúpula fracassada entre o ex-presidente Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong Un em Hanói em fevereiro de 2019, mas eles não viram o último teste como um “fechamento de portas” para conversas.

Ha Tae-keung, um legislador sul-coreano, disse que Seul e Washington concordaram em não anunciar sua detecção do teste do míssil, citando um briefing de oficiais de inteligência.

Os legisladores da oposição e alguns especialistas disseram que a confirmação dos EUA indicava uma falha de coordenação entre os aliados e sugeriu que Seul pode estar tentando encobrir uma provocação enquanto busca melhorar os laços transfronteiriços.

“Poderia realmente ter sido uma atividade de rotina e pré-planejada”, disse Kim Dong-yup, professor da Universidade Kyungnam em Seul. “Mas não posso deixar de perguntar se o governo e o JCS estavam pisando em ovos para não incomodar a Coreia do Norte.”

O funcionário da JCS disse que não divulga algumas atividades norte-coreanas para proteger seus meios de reconhecimento com base em consultas com os militares dos EUA.

Jenny Town, diretora do 38 North, um site com sede nos EUA que acompanha a Coreia do Norte, disse que a ação mais recente na Coreia do Norte pareceu “bastante amena”. “Meu palpite é que isso tem mais a ver com os exercícios conjuntos do que qualquer outra coisa”, disse ela, referindo-se aos exercícios militares conjuntos EUA-Coréia do Sul neste mês. A Coreia do Norte criticou os exercícios, embora eles tenham sido reduzidos em um esforço para reiniciar as negociações nucleares.

A Coreia do Norte continuou a desenvolver seus programas nucleares e de mísseis ao longo de 2020, violando as sanções da ONU que datam de 2006, ajudando a financiá-los com cerca de US$ 300 milhões roubados por meio de hacks cibernéticos, de acordo com monitores independentes de sanções da ONU.

A Coreia do Norte não testa uma arma nuclear ou um ICBM desde 2017, mas conduziu vários testes de mísseis de menor alcance após o colapso da cúpula de Hanói. O governo Trump também procurou minimizar esses testes.

Com informações da Agência Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. Boa tarde,
    O tio sam esta velho, o raciocínio esta lento, apresenta graves sinais de demência, os braços atrofiaram, as pernas cambaleando, coitado, vai fazer oque? nada. Os EUA não podem fazer nada!
    Vai ter que aturar. isso por que o Urso e o Dragão já assinaram o cheque, eles garante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também