ADEREX-URANO/2021 proporcionará adestramento à Força Aeronaval e contribuirá para o incremento de ações conjuntas entre as Forças Armadas

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa-ADEREX-URANO

Chefe de Operações do Grupo-Tarefa da ADEREX-URANO/2021 detalha planejamento da missão (Foto: Marinha do Brasil).

A fim de contribuir para elevar o aprestamento dos meios navais e aeronavais da Esquadra, a ADEREX-URANO/2021 será especialmente voltada para as operações aéreas. No dia 22 de março, o Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) Atlântico e as Fragatas Independência e União suspenderão com o propósito de empregar todos os meios necessários para auxiliar na preparação, qualificação e treinamento dos Esquadrões da Força Aeronaval. Ao final da missão, objetiva-se atingir elevados níveis de adestramento e prontidão dos meios e das equipes.

Nesta quinta-feira, 18 de março, uma reunião foi realizada para definir os últimos detalhes do planejamento. Durante a missão, serão realizados exercícios de controle aéreo e esclarecimento, interceptação, trânsito sob ameaça, operações antissubmarino e ataque, além de transferências de carga entre navios (Vertrep e Pick-up). A estimativa é que 107 horas de voo sejam realizadas, contribuindo para a qualificação do maior número de pilotos, bem como para o adestramento das tripulações dos navios empregados.


Comandante em Chefe da Esquadra reforça a importância da missão para a Esquadra e para a Força Aeronaval (Foto: Marinha do Brasil).

Durante a ADEREX-URANO/2021, o NAM Atlântico, Capitânia da Esquadra, atingirá a marca de 2 mil pousos realizados em seu convoo. Essa marca histórica será alcançada em um exercício específico, que contará com a presença de aeronaves de asa rotativa da Força Aeronaval, da Força Aérea Brasileira e do Exército Brasileiro. Será mais uma oportunidade para incrementar a interoperabilidade entre as Forças Armadas, que, unindo esforços, contribuem para reforçar a soberania do País na proteção das riquezas naturais da Amazônia Azul, área de interesse político-econômico e estratégico, com cerca de 5,7 milhões de km² ao longo da costa brasileira.


Comandante do Grupo-Tarefa da ADEREX-URANO/2021 destaca a interoperabilidade das Forças Armadas durante a missão (Foto: Marinha do Brasil).

Com informações da Marinha do Brasil.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a Rússia

Veja também