A geopolítica das eleições bielorrussas

B-Top-720x75px-ADG.jpg

Albert-VF1 Tradução e adaptação de Albert Caballé Marimón*

Baixar-PDF


Assine o Velho General e acesse conteúdo exclusivo, conheça as opções.


Capa-PDF.jpg
O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko (Foto: Reuters/Vasily Fedosenko).

Artigo publicado originalmente pelo Geopolitical Futures.


Localizada entre a Polônia e a Rússia, a Bielorrússia é parte do que os russos consideram como sua zona-tampão, uma área estratégica fundamental para a sua segurança. Com o fim da Guerra Fria, a neutralidade dos bielorrussos se transformou num delicado ponto de equilíbrio entre a Rússia e a OTAN.


A Bielorrússia, cujas eleições recentes vêm agitando a mídia, há algum tempo é um ponto crítico na Europa. As razões para isso são história e geografia. Desde o século XVIII a segurança nacional da Rússia depende de “zonas-tampão” a oeste e sul. Nesse período, o país enfrentou quatro grandes invasões: pela Suécia, aliada da Polônia e da Turquia, ao sul; pela França, através da planície do norte da Europa; e pela Alemanha, duas vezes, através da Polônia e da Ucrânia.

Três pontos salvaram a Rússia em todas as invasões. O primeiro foi a distância que o invasor devia vencer para chegar ao coração da Rússia, criada pela zona-tampão vital. O segundo foram os longos e rigorosos invernos, que dificultaram o abastecimento, a movimentação e a sobrevivência. O terceiro foram as forças maciças, embora mal treinadas, que a Rússia podia reunir ao recuar para o leste.

LIVRO RECOMENDADO:

História concisa da Rússia

  • Paul Bushkovitch (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

O presidente russo, Vladimir Putin, classificou a queda da União Soviética como o maior desastre geopolítico da história. Certamente isso é verdade na história da Rússia, pois privou a Federação Russa de seus amortecedores. Os países bálticos foram integrados à OTAN e, na Ucrânia, um levante político, que Moscou afirma ter sido organizado pelos Estados Unidos, estabeleceu um governo pró-Ocidente. Para mensurar essas mudanças, durante a Guerra Fria o membro da OTAN mais próximo estava a quase 1.000 milhas (1.600 quilômetros) de Leningrado (hoje São Petersburgo). Agora, o mais próximo fica a apenas 160 quilômetros da cidade.

A questão não é se a OTAN ou os EUA pretendem atacar; mas com o passar do tempo as intenções mudam. A Rússia, como qualquer país, não tolera cursos de ação que possam eventualmente ser usados ​​contra ela. Na verdade, o movimento da OTAN para o leste, e particularmente pelos americanos, criou ameaças à Rússia a partir do Báltico e da Ucrânia. Se a Ucrânia fosse integrada a uma coalizão liderada pelos EUA e totalmente armada, forças hostis estariam a menos de 1.100 quilômetros de Moscou. A Rússia não poderia tolerar isso, portanto tomou a Criméia, colocando-se em posição de ameaçar o território ucraniano e bloquear seus portos, e despachou forças de operações especiais para o leste da Ucrânia para desencadear um levante pró-Rússia. A revolta falhou, mas mesmo assim efetivamente dividiu a Ucrânia o suficiente para forçar o governo central em Kiev a recuar da fronteira com a Rússia.

Moscou sabia que perder a Ucrânia a deixaria vulnerável a ataques futuros, mas também sabia que os EUA não desejavam um conflito total. Então chegaram a um acordo não escrito pelo qual os russos conteriam o levante no leste da Ucrânia e os Estados Unidos não forneceriam armas ofensivas à Ucrânia. Essencialmente, a zona-tampão não estava mais sob controle russo, mas ainda assim dava à Rússia a profundidade estratégica necessária para responder caso o acordo seja violado.

Mapa.jpg
A Bielorrússia ocupa uma posição considerada estratégica para a segurança da Rússia (Google Maps).

E assim chegamos à Bielorrússia, em torno da qual todo o drama da Guerra Fria se desenrolou, mas que permaneceu relativamente intacta. Se as forças dos EUA tivessem ocupado a Bielorrússia, teriam sido capazes de ameaçar o coração da Rússia diretamente (Smolensk, cidade no interior do território soviético, teria se tornado uma cidade fronteiriça). Por outro lado, se forças russas tivessem assumido o controle da Bielorrússia e postadas na fronteira ocidental, estariam em posição de ameaçar diretamente a Polônia, e, portanto, o resto da Europa. Afinal, um contingente limitado de forças americanas já estava destacado na Polônia, o que tanto poderia deter a Rússia como levar a uma guerra mais séria.

A neutralidade da Bielorrússia, portanto, sempre foi extremamente importante para a OTAN. Mas é mais complicado para a Rússia. Por um lado, eliminar uma ameaça potencial na Bielorrússia é prioridade extremamente alta para Moscou; por outro, envolver os EUA em combate direto e ocupar território da OTAN não é.

A Rússia resistiu à tentação de minar a neutralidade bielorrussa, embora tenha usado as necessidades econômicas de Minsk para seus próprios interesses. Não querendo ser absorvido pela Rússia ou pelo Ocidente, o presidente Alexander Lukashenko manteve um equilíbrio cuidadoso entre os dois, controlando rigidamente a política interna e intimidando seus inimigos políticos. Por isso ele está no poder desde 1994. A ideia de que os bielorrussos estão descontentes com seu contínuo sucesso eleitoral não é clara. Muitos estão, outros não, e outros ainda provavelmente não sentem uma necessidade urgente de discutir esse problema. Para a maior parte, Lukashenko foi aceito e a vida seguiu.

LIVRO RECOMENDADO:

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e capa comum

As eleições deste fim de semana são diferentes. Há uma oposição substancial ao titular, tanto que ele mandou prender um candidato rival. Ficou claro que Lukashenko estava nervoso com a eleição. Ele estava particularmente aborrecido com os russos, dizendo que eles enviaram paramilitares ao país e insinuando que estavam tentando criar seu próprio levante da Praça Maidan[1].

É interessante que ele esteja culpando a Rússia. Talvez seja porque presumiu que a oposição era liberal e recusaria a ideia de ajuda russa. Talvez a Rússia esteja tentando avisar a Bielorrússia que o Ocidente não é um ponto de equilíbrio em relação à Rússia. Ou talvez ele esteja certo e a Rússia esteja tentando recuperar uma zona-tampão neutra.

De qualquer modo, Lukashenko obteve uma vitória esmagadora, sem surpresas. A questão agora não é se isso vai desencadear um levante, mas se as potências estrangeiras, especialmente a Rússia, podem estar trabalhando para redefinir a política regional. Pela perspectiva russa, isso seria racional e esta é uma boa oportunidade. As eleições nos Estados Unidos sempre distraem os americanos, e a União Europeia está patinando com a economia e o coronavírus. A Polônia ficaria chocada, mas lhe falta capacidade para agir.

Líderes mudam, mas a geografia não. Eleições são frequentemente menos interessantes do que suas consequências.

Banner-Strip-Apoie

*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing. Depois de atuar vários anos em empresas nacionais e multinacionais, tornou-se fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX e a Operação Acolhida e proferiu palestras na Academia da Força Aérea. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra. Pode ser contatado através do e-mail caballe@gmail.com.


Nota

[1] Praça da Independência, no centro de Kiev, capital da Ucrânia. Já teve diversos nomes, mas é comumente conhecida apenas como Maidan (“praça”), e é tradicionalmente local de manifestações políticas.

Banner-loja-02.jpg

5 comentários sobre “A geopolítica das eleições bielorrussas

  1. Está me parecendo aquele ditado popular: “Se correr o bicho pega; se ficar o bicho come”.
    Bom o artigo. Muito bem explorado e com uma redação primorisa.
    Parabéns ao autor.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s