Sobre uma guerra

Por Robinson Farinazzo*



Bem pessoal, Vocês viram no vídeo acima que os EUA vem pressionando o Brasil no sentido de ajuda-los em sua política com relação à Venezuela. Como nosso País tem resistido aos pleitos americanos, eu penso que nossa soberania, que é a capacidade de uma nação determinar seus rumos, vai bem obrigado.

Mas há uma coisa que esse pessoal que vive falando em ação militar contra a Venezuela ainda não se tocou, que é como isso poderia influenciar seu dia à dia.

Vamos supor que Você tenha um filho de 19 anos de idade, o qual criou com todo carinho. Um garoto, que assiste séries adolescentes na Netflix, te pede dinheiro pro Uber e gosta de acordar tarde, enfim, que tem toda uma vida pela frente.

Muito bem, pois ele será convocado. Seu cabelo será cortado, receberá vacinação contra doenças tropicais e um uniforme cujo caimento perfeito ou não em seu corpo não fará muita diferença. Se der sorte, receberá um treinamento rigoroso, do qual reclamará bastante mas que talvez salve sua vida um dia. Se não, vai pra guerra com a noção básica, pois há pressa em montar contingentes e repor as perdas dos primeiros dias. Toda guerra é assim.

Pode ser que ele volte um dia, inteiro, ao menos na aparência, se os seus nervos não tiverem sido destruídos pelo horror e levem anos para percebermos até que finalmente chegue o dia em que ele estoure em fúria contra si ou contra a sociedade.

Ou pode ser que ele volte sem um braço, uma perna, ou ambos, e sua vida nunca mais seja a mesma. Mesmo assim, seus pais ainda serão uns felizardos. Porque pode ser que ele não volte, e os pobres pais ainda darão graças à Deus se tiverem um corpo para enterrar.

O tempo se passará, ninguém sabe quanto tempo isso pode durar, outros pais chorarão sozinhos num quarto vazio, mas isso ainda não é tudo, pois restará uma conta para ser saldada. A inflação retornará, o Estado terá muitas pensões para pagar e a vida levará muito tempo para voltar a ser boa. Mas isso ainda não é o pior.

O pior, para os pais do soldado morto, será quando eles virem nos jornais a notícia que o regime odioso que seu filho morreu em vão tentando derrubar voltou ao poder pela força das urnas, porque é assim que a vida é.


*Robinson Farinazzo é Capitão-de-Fragata (FN) da reserva da Marinha do Brasil. Expert em tecnologia aeronáutica, piloto de aviões e graduado em Administração de Empresas, atuou em diversos cargos em sua carreira militar, especializando-se através de cursos, seminários , simpósios e intensa experiência de campo. Natural de Catanduva-SP em 1966, é palestrante e articulista, com textos publicados em várias revistas e sites especializados. Seu estilo busca primar pela concisão, otimismo e assertividade.


 

Anúncios

  5 comments for “Sobre uma guerra

  1. Natan
    28/02/2019 às 22:25

    Excelente artigo, comandante!

    Curtir

  2. Benjamin
    01/03/2019 às 06:40

    Uma dose de lucidez em meio aos devaneios de pessoas empolgadas que ainda estão no clima das eleições.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: