Mobilização Nacional: a História se repete

Milhares de militares têm se dedicado à Operação Covid-19. Os voos para apoio logístico transportaram oxigênio, respiradores, medicamentos, vacinas, equipes de saúde e pacientes. Em um ano, os deslocamentos correspondem a mais de 55 voltas inteiras ao redor do planeta (Foto: Ministério da Defesa via Agência Brasil).

O projeto de lei do deputado federal Vitor Hugo, que prevê o instituto da Mobilização Nacional, causou desconforto em boa parte dos parlamentares, sendo aventado que daria poderes ao governo para intervir no setor privado e público, requisitando e reorientando a produção, comercialização, distribuição e consumo de bens e serviços e ainda para a convocação de civis e militares. Esta conclusão é alarmista e não procede.

Logística e mobilização nacionais

As capacidades industriais e logísticas de um país são vitais na sua defesa. Neste contexto, é fundamental a compreensão de que “Defesa” não é um tema da alçada exclusivamente militar, mas responsabilidade de toda a sociedade. Assim, a capacidade de integrar a base industrial e logística nacional à estratégia de defesa, no conceito de Mobilização Nacional, é imprescindível. Em entrevista ao Velho General, o coronel da reserva da FAB, Antonio Celente Videira, docente da ESG, discorre sobre este assunto.

Mobilização Nacional e a Pandemia do Novo Coronavírus

Embora seja um evento eminentemente de saúde pública, uma pandemia nos moldes do atual COVID-19 requer conhecimento consistente em gestão e coordenação, além de excelentes capacidades logística e de mobilização nacional. O SINAMOB (Sistema Nacional de Mobilização) tem a resposta para emergências desta natureza.