Radar Semanal 16/07/21

O ex-vice presidente dos EUA, Mike Pence (Foto: Erin Granzow).

Hoje no Radar, um artigo aborda os desafios da modernização da tríade nuclear dos EUA; a recente implantação de 16 aeronaves da força aérea chinesa próximo ao espaço aéreo da Malásia pode sugerir uma nova tática para a China afirmar suas reivindicações sobre o Mar do Sul da China; O ex-vice-presidente americano Mike Pence ingressou na The Heritage Foundation fazendo um forte discurso anti-China, que traduzimos nesta edição; O compromisso da Turquia de proteger o aeroporto de Cabul é arriscado, mas pode trazer recompensas estratégicas significativas.

Democratas querem gastar mais do que Biden na aquisição de armas

O contratorpedeiro americano USS John S. McCain com navios da Marinha Real Australiana e da Força de Autodefesa Marítima do Japão no Mar do Sul da China para um exercícios em 19 de outubro de 2020 (Foto: US Navy).

A legislação provavelmente desencadeará debate partidário, como pontos o fechamento de Guantánamo, a exigência de pagamento de salário mínimo pelas empreiteiras de defesa, e a negativa de apoio às operações militares ofensivas no Iêmen.

Conflito não declarado? Aumentam combates dos EUA contra milícias apoiadas pelo Irã

Militares americanos observam jato F-16 em cerimônia de recepção de quatro dessas aeronaves em uma base militar em Balad, Iraque, 20 de julho de 2015 (Foto: Thaier Al-Sudani/Reuters).

Para os democratas, a questão é se o padrão de ataques e contra-ataques não equivale a um conflito não declarado, com risco de os EUA tropeçarem em uma guerra direta com o Irã sem envolvimento do congresso.

Radar Semanal 25/06/21

O Secretário-geral do Partido Comunista da China, Xi Jinping (Foto: Pavel Golovkin/AFP).

Nesta edição do Radar: artigo avalia a atuação de Xi Jinping à frente do PCCh; uma avaliação do orçamento americano para 2022, que mostraria que Biden não prioriza a Defesa; uma análise do porque a OTAN falhou no Afeganistão; e a evolução dos exercícios conjuntos sino-russos, no que parece se encaminhar para uma aliança militar.

EUA manterão cerca de 650 tropas no Afeganistão após a retirada

Tropas de operações especiais dos EUA embarcam em aeronave no Afeganistão (Foto: Jaerett Engeseth/US Army).

Tropas atuarão na segurança da embaixada dos EUA e no aeroporto de Cabul; será deixado um sistema C-RAM, tropas para operá-lo, e uma tripulação para apoio de helicópteros.

Chefe do Estado-Maior da Rússia espera laços mais construtivos com os EUA após cúpula de Genebra

General Valery Gerasimov, chefe de Estado-Maior da Rússia (Foto: Kremlin/Moscow Times).

A cúpula Rússia-EUA, iniciada por Washington, aconteceu na cidade suíça de Genebra em 16 de junho.

Movimento de tropas russas perto da fronteira com a Ucrânia foram mencionados na cúpula Putin-Biden

Tropas da Rússia na fronteira com a Ucrânia (Foto: Getty).

“Nós, no entanto, estamos agindo em nosso próprio território”, apontou o porta-voz Dmitry Peskov, observando que exercícios com tropas e equipamentos americanos estavam ocorrendo ao longo das fronteiras da Rússia.

O que significa voltar a aderir à Europa?

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltemberg, participam da cúpula da OTAN, em Bruxelas (Foto: Reuters).

“A UE parece relutante em iniciar ações de longo alcance contra a China, preferindo ações mais modestas e menos arriscadas … A clareza da missão da OTAN na Guerra Fria já não existe. Em uma questão fundamental para os Estados Unidos, retornar à Europa traz retornos mínimos.”

Respeito mútuo, mas sem amizade no encontro entre Biden e Putin em Genebra

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encontra-se com seu homólogo russo, Vladimir Putin, em Villa la Grange, Genebra, em 16 de junho de 2021 (Foto: Denis Balibouse/AFP).

Segundo um analista, a reunião talvez não pudesse ter sido muito melhor, mas certamente poderia ter sido muito pior. Se na Guerra Fria líderes americanos e soviéticos assinavam acordos sobre grandes questões, Biden e Putin nunca esperaram grandes avanços em Genebra.

Biden procura minimizar Rússia e estimular aliados na tentativa de encurralar Putin

Os presidentes dos EUA, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, chegam para a cúpula EUA-Rússia em Villa La Grange, em Genebra, Suíça, em 16 de junho de 2021 (Foto: Saul Loeb/Reuters).

Assessores disseram que Joe Biden procurou passar uma mensagem de que Putin, pressionado pela China, vem se isolando no cenário internacional com suas ações.