Batalha de Wizna, as “Termópilas Polonesas”: entre o mito e o fato (Parte 1)

Afoito, quase desesperado, o soldado de artilharia Seweryn Biegański pedala furiosamente pela estrada que atravessa a floresta, rumando na direção de Góra Strękowa, 36 km ao sul. Ele saiu do Forte Osowiec, cidadela que se manteve inexpugnável por seis meses e meio na I Guerra e não foi tomada pelos alemães nem mesmo com o uso de armas químicas. Tem pressa e precisa ter mesmo. É manhã de 10 de setembro de 1939, décimo dia da invasão alemã à Polônia, e Biegański leva uma mensagem ao capitão Władysław Raginis, comandante do setor Wizna.

A evolução do estudo do átomo e o início da corrida armamentista nuclear

No primeiro de uma série de artigos sobre a questão nuclear, Alessandro Andrade Lima aborda desde a descoberta do átomo e a evolução das pesquisas, até o desenvolvimento das armas nucleares e o início da corrida armamentista nuclear durante a Guerra Fria.

A busca da Rússia por profundidade estratégica

Profundidade estratégica sempre foi fundamental para a Rússia e sua importância está gravada de maneira indelével na memória do país. Nos últimos anos, o presidente russo, Vladimir Putin, vem realizando diversos movimentos estratégicos no sentido de recuperar o “amortecedor” perdido com a queda da URSS.

Morte nos túneis de Berlim

A inundação dos túneis do sistema ferroviário de Berlim em abril/maio de 1945, permanece envolta numa nuvem de obscuridade; quem mandou alagar os túneis onde se encontravam centenas de civis e soldados alemães feridos?

A invasão da Polônia pela Alemanha

Em 1º de setembro de 1939, no ápice de uma série de ações expansionistas, a Alemanha de Hitler invadia a Polônia. Inglaterra e França viram-se forçadas a declarar guerra, dando início à Segunda Guerra Mundial.