O dilema da inteligência

Todos os países, não apenas potências como Estados Unidos, Rússia e China, empregam serviços de inteligência. Grandes potências dedicam orçamentos bilionários, países menores nem tanto. Mas nenhum pode prescindir dessa atividade. É dever de qualquer chefe de Estado proteger sua nação, e saber o que os demais países pensam ou fazem – para além de discursos de ódio ou amizade – não é apenas fundamental, é imprescindível. Continuar lendo O dilema da inteligência