Afeganistão: um eterno campo de batalha geopolítico

Um T-62 em posição de tiro em algum lugar nas montanhas Hindu Kush, no Afeganistão, entre 1984 e 1985 (Foto: Sergey Novikov, da 5º Cia. Aerotransportada do Exército Vermelho/Wikimedia Commons).

Em sentido geográfico e histórico, o Afeganistão é um lugar difícil e os afegãos são pessoas difíceis. Quando a tecnologia trava uma guerra contra as montanhas, geralmente as montanhas vencem. E no Afeganistão, foram as Hindu Kush que finalmente saíram vitoriosas. Inegavelmente, os Estados Unidos e a OTAN falharam nessa invasão equivocada, ficando com nada além de humilhação.

Fiat Falco “13-95”: A Itália na Batalha da Inglaterra

Imagem: Hobby Search.

O caça italiano Fiat Falco CR.42 conhecido como “13-95” integrou o Corpo Aereo Italiano durante a Batalha da Inglaterra, em um esforço diplomático e publicitário do ditador italiano Benito Mussolini para melhorar sua imagem tanto internamente quanto com seus aliados alemães. Após ser capturado, o “13-95” participou da formação da unidade de avaliação de aviões inimigos da RAF, conhecida como “Rafwaffe”.

Caça F-35 britânico observa manobras navais russas no Mediterrâneo

Jato F-35B operando a bordo do HMS Queen Elizabeth (Foto: Ministério da Defesa britânico).

Exercícios da Rússia envolvem cinco navios de guerra, dois submarinos, bombardeiros, caças e aeronaves antissubmarino; manobras visam garantir a segurança da base aérea Hmeimim e da instalação naval Tartus operadas pela Rússia na Síria.

Aeronaves F-35B do Reino Unido e dos EUA atacam o ISIS em primeiras missões de combate do HMS Queen Elizabeth

Um F-35B decola do HMS Queen Elizabeth na área de operações da Sexta Frota em 18 de junho de 2021 (Foto: Zachary Bodner/US Marine Corps).

O comandante da Ala Aérea do Queen Elizabeth disse que é a primeira missão de combate realizada pelos EUA a partir de um porta-aviões estrangeiro desde o HMS Victorious em 1943, e mostra o nível de integração entre a Royal Navy, a Royal Air Force e os US Marines.

Moscou diz que tiros de advertência detiveram navio de guerra britânico; Londres nega

Uma aeronave de ataque Su-24, modelo que teria lançado bombas no caminho do HMS Defender (Foto: Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa Russo).

O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, alertou que “o mundo está afundando rapidamente em um novo confronto, que é muito mais perigoso do que durante os tempos da Guerra Fria”.

Incidente no Mar Negro: As reações na Rússia

Destroier britânico HMS Defender (Foto: BatManS/Shutterstock).

Londres afirmou que a embarcação estava em águas ucranianas, mas optou por evitar a escalada, dizendo que nenhum tiro de alerta foi disparado contra seu navio.

Rússia alerta Grã-Bretanha para não provocá-la novamente no Mar Negro

Captura de vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa da Rússia mostra o destroier HMS Defender filmado de uma aeronave militar russa no Mar Negro, em 23 de junho de 2021 (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa via Reuters).

O porta-voz do Kremlin classificou o incidente de “provocação inaceitável”, e disse que se essas ações forem longe demais, nenhuma opção será descartada na defesa das fronteiras da Rússia.

Grã-Bretanha poderia desacelerar suas compras de F-35

F-35B Lightning II conduzindo testes a bordo do porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth, em 13 de outubro de 2018 (Foto: Royal Navy).

A Grã-Bretanha havia dito que compraria 138 jatos, mas recentemente se tornou vaga sobre quando e quantos caças acabará comprando.

Marinha russa efetuou disparos de advertência contra destróier britânico

O destroier da Marinha Real Britânica HMS Defender (Foto: Ben Mitchell/AP).

Defesa russa diz que efetuou disparos de alerta após a embarcação violar as águas territoriais do país; o Reino Unido negou, mas um correspondente da BBC a bordo do destroier enviou relato confirmando o incidente.

Jatos F-35B italianos e britânicos treinam juntos pela primeira vez – graças à pandemia

Jato F-35B da Força Aérea Italiana é reabastecido em Pantelleria a partir de um C-130J italiano durante exercício de 8 de junho (Foto: Força Aérea Italiana).

O jato britânico voou do HMS Queen Elizabeth, que segue em missão rumo à Ásia-Pacífico. O F-35B italiano chegou a Pantelleria pela segunda vez, testando plano italiano de implanta-lo em bases com pistas muito curtas.