Malvinas: “Tínhamos 20% de chances de sobreviver”

Há 38 anos, durante a Guerra das Malvinas, um piloto argentino de A-4B Skyhawk perdeu o nariz da aeronave realizando um ataque ao solo e bombardeou a fragata HMS Argonaut voando tão baixo que a acertou de raspão, ganhando o apelido de “El Kamikaze”. Conheça o relato de Alberto Filippini, piloto veterano do conflito do Atlântico Sul. Continuar lendo Malvinas: “Tínhamos 20% de chances de sobreviver”

O Pucará A-515: das Malvinas à Inglaterra

Ao final da Guerra das Malvinas, o Pucará A-515 da FAA (Fuerza Aérea Argentina) foi capturado pelos britânicos, que o levaram à Inglaterra. Lá, foi restaurado e submetido a uma série de testes extensivos, incluindo combates dissimilares contra caças Sea Harrier e Phantom. Hoje, tem seu repouso final no RAF Museum em Cosford. Continuar lendo O Pucará A-515: das Malvinas à Inglaterra

O Khmer Vermelho e a tragédia do Camboja

A experiência do Camboja durante o período do Kampuchea Democrático foi um dos capítulos mais trágicos da história do século XX. O regime imposto pelo Khmer Vermelho foi um dos mais brutais, considerando o número de mortos e refugiados que produziu no curto período de tempo de sua existência, em relação à população da época. É um exemplo de como utopias sem base na realidade podem ser destrutivas para uma nação. Continuar lendo O Khmer Vermelho e a tragédia do Camboja

A Estrela de Caxias em 1843

Hoje, o Dia do Soldado, data magna do Exército, homenageia o nascimento de Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, em 25 de agosto de 1803. Conhecido como “O Pacificador” e “Duque de Ferro”, tornou-se patrono do Exército Brasileiro em 13 de março de 1962. É tido por muitos historiadores como o mais destacado oficial da história do Brasil. Em sua homenagem e à data, publicamos este artigo de autoria do coronel Cláudio Moreira Bento. Continuar lendo A Estrela de Caxias em 1843

Austerlitz e a campanha russa

Napoleão era um general soberbo no campo estratégico e operacional; sua capacidade de manipular o inimigo de forma a manter a iniciativa mesmo em situação tática defensiva, obrigando os russos a atacar quando e onde ele queria era magistral e foi fundamental para o sucesso em Austerlitz. Os russos, porém, compreendendo que Napoleão supria seu exército in loco, adotaram a estratégia de “terra arrasada”, usando a imensidão do território russo para amortecer a força do exército francês e negaram-lhe a iniciativa, furtando-se ao combate e aguardando a oportunidade certa para lutar. Continuar lendo Austerlitz e a campanha russa

Poder aéreo na Guerra do Vietnã: visão geral

A Guerra do Vietnã, conflito de longa duração que acabou sendo extremamente traumático para os EUA, foi um evento de grandes proporções em diversos sentidos. Especificamente na guerra aérea, foi marcado por operações de grande porte e perdas impressionantes. Foi também um período em que muitas novas tecnologias foram implementadas e novas doutrinas foram desenvolvidas e testadas. Continuar lendo Poder aéreo na Guerra do Vietnã: visão geral

A Guerra Franco-prussiana

A Guerra Franco-prussiana transformou a França novamente em república e criou a Alemanha, uma das maiores potências europeias, marcando sua doutrina militar e posteriormente influenciando Heinz Guderian na elaboração da Blitzkrieg. Já para os franceses, a humilhante derrota deixou cicatrizes que se refletiram na dureza com que trataram os alemães na elaboração do Tratado de Versalhes ao final da Primeira Guerra. Continuar lendo A Guerra Franco-prussiana

O maior dos dias da aviação

Em 1991, a Etiópia chegava ao fim de uma longa guerra civil. Preocupado com a antiga comunidade de judeus etíopes, Israel conseguiu um acordo com o cambaleante regime para transportar a todos para Israel. O governo etíope concedeu menos de dois dias para realizar aquela que foi chamada de Operação Salomão. Nesse curto espaço de tempo, mais de 14.000 judeus etíopes foram levados para Israel. Continuar lendo O maior dos dias da aviação

A influência das ordens religiosas na expansão ultramarina portuguesa

A monarquia portuguesa, graças ao prestígio obtido junto ao papado devido à sua participação na Reconquista da península ibérica aos mouros, conseguiu vincular as ordens religiosas à Coroa, garantindo assim que os seus recursos se tornassem disponíveis para o financiamento da expansão marítima. Continuar lendo A influência das ordens religiosas na expansão ultramarina portuguesa