A Rússia e o Ártico

Além de ser uma importante rota comercial que pode economizar tempo e dinheiro, estimativas indicam que cerca de 13% do petróleo e 30% do gás natural por ser descoberto estão dentro do Círculo Polar Ártico; a região abriga também jazidas de ouro, magnésio, níquel, cobalto e prata. Tem também importância militar suficiente para justificar a criação, em 2014, do Comando Estratégico Conjunto da Frota do Norte. Continuar lendo A Rússia e o Ártico

O Império do Mao

Considerando a declaração de Xi Jinping de estabelecer hegemonia global até 2050, a ameaça de retomar Taiwan por via militar, a criação de Ilhas artificiais no Mar do Sul da China, a instalação de bases militares em vários territórios (inclusive o Ártico) e silenciosamente controlando instituições internacionais (vide OMS), a China é hoje uma potência disruptiva da ordem internacional. Continuar lendo O Império do Mao

Para onde vai a China?

Xi Jinping se apresenta como o homem que levará o país a alcançar o “sonho chinês”, ou seja, transformar a China em um país socialista moderno, próspero, forte, democrático, culturalmente avançado e harmonioso, em 2049, ano do centenário da República Popular da China; e pretende estar no poder em boa parte da jornada. Sua capacidade de liderar o país definirá o ritmo com que a China avançará sobre seus objetivos estratégicos. Continuar lendo Para onde vai a China?

As relações sino-americanas depois da pandemia

Acredita-se que a pandemia da COVID-19 mudará muita coisa no comportamento das pessoas, embora os efeitos dessas mudanças ainda sejam desconhecidos. Nas relações internacionais não será diferente, já que a crise evidenciou uma dependência preocupante em relação à China, país em que, aliás, se originou o processo de contaminação pelo novo vírus. Nesse contexto chama a atenção como se dará a evolução das relações EUA/China, as maiores potências econômicas e militares do planeta. Continuar lendo As relações sino-americanas depois da pandemia