Vigilância nuclear da ONU alerta sobre Coréia do Norte e Irã

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto: Alex Halada/AFP/Getty Images.

Foto: Alex Halada/AFP/Getty Images.

O diretor geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, emitiu avisos na segunda-feira enquanto fazia comentários na reunião trimestral do órgão de vigilância da ONU de seu Conselho de Governadores de 35 nações.

Grossi relatou que a agência, que foi fechada na Coreia do Norte desde que Pyongyang expulsou os inspetores em 2009, viu indícios de que o país pode estar reprocessando combustível usado para coletar plutônio que pode, por sua vez, ser enriquecido para uso em armas nucleares.

Pyongyang continuou a perseguir suas ambições nucleares desde então e detonou seu último dispositivo nuclear em 2017.

A AIEA foi forçada a recorrer a imagens de satélite para fazer suas avaliações do programa nuclear norte-coreano, mas Grossi disse que observou vapor em um laboratório de reprocessamento: “A usina a vapor que atende o Laboratório de Radioquímica continuou a operar desde minha última declaração à a diretoria em março. A duração desta operação é consistente com o tempo necessário para uma campanha de reprocessamento.” Ele enfatizou que “não é possível confirmar se o reprocessamento está ocorrendo”.

Grossi confirmou que a AIEA acredita que a Coreia do Norte desligou seu reator Yongbyon – que provavelmente produziu plutônio para armas – em dezembro de 2018, mas advertiu que a AIEA viu “indicações contínuas de atividade” em Kangson, nos arredores da capital Pyongyang.

Questão de confiança com o Irã

Na reunião de segunda-feira, Grossi também disse que o trabalho com a República Islâmica do Irã está “se tornando cada vez mais difícil”. Ele se referiu especificamente a uma solução temporária insuficiente entre os inspetores da AIEA e o governo iraniano que forneceu um acordo de inspeção temporária de três meses para a agência, apesar de Teerã ter reduzido muito o acesso às suas instalações nucleares desde fevereiro.


LIVRO RECOMENDADO

Armas Nucleares: Origem, estrutura, funcionamento, evolução e controle

  • Jucimar Peruzzo (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Sobre o acordo atual, que termina em 24 de junho, Grossi disse: “Estou vendo esse espaço se estreitando”. Falando da especulação de que o Plano de Ação Conjunto Global, ou JCPOA – mais conhecido como acordo nuclear com o Irã – ainda poderia ser revivido depois que os EUA se retiraram dele em 2018 e restabeleceram sanções severas, Grossi disse esperar que as negociações atuais não levem a uma nova redução das inspeções: “Não podemos limitar e continuar a restringir a capacidade dos inspetores de inspecionar e, ao mesmo tempo, fingir que há confiança.”

Em retaliação à retirada dos EUA e à reimposição de sanções, o Irã tem ignorado os limites às suas atividades nucleares estipulados no acordo.

Grossi também falou sobre as longas tentativas da AIEA de esclarecer o papel de vários locais iranianos não declarados onde atividades nucleares podem ter ocorrido, principalmente no início dos anos 2000. Embora “discussões técnicas” tenham sido lançadas em abril em um esforço para “quebrar o impasse” sobre os locais, Grossi disse que as “expectativas da AIEA não foram atendidas”.

Diplomatas em Viena, onde a AIEA está sediada, esperam concluir as negociações para reviver o acordo JCPOA de 2015, que começou em abril, antes da eleição presidencial do Irã em 18 de junho.

A agência disse aos governadores: “Para mim, o caminho para a confiança passa pela informação, esclarecimento, fiscalização e transparência total”, acrescentou. Ele ressaltou a “seriedade” da situação, explicando: “Temos um país que tem um programa nuclear muito desenvolvido e ambicioso que está enriquecendo em níveis muito elevados … muito próximo do grau de armamento.”

Fonte: DW.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também