Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O general Alfred Jodl, ao centro, assina a rendição incondicional de todas as forças armadas alemãs em 7 de maio de 1945 (Foto: AP).

O general Alfred Jodl, ao centro, assina a rendição incondicional de todas as forças armadas alemãs em 7 de maio de 1945 (Foto: AP).

Em 8 de maio de 1945, a Alemanha declarou formalmente sua derrota na Segunda Guerra Mundial. Como muitos outros já disseram, houve uma guerra na Europa que começou em 1914 e terminou em 1945, com uma trégua de 20 anos no meio. Ambas as guerras colocaram a Alemanha contra a França, a Rússia e a Grã-Bretanha, com um envolvimento crescente dos Estados Unidos.


Não é exagero dizer que foi uma guerra da Alemanha contra o resto da Europa, com potências europeias menores espalhadas em coalizões menores apoiando um lado ou outro. As guerras começaram na estrutura profunda da Europa, mas foram iniciadas em uma escala mais ampla pela Alemanha e terminaram quando a Alemanha se rendeu. As duas guerras podem ser chamadas coletivamente de Guerra Alemã, lançando as bases para perguntar quanto da Alemanha que foi esmagada em 1945 ainda existe hoje. Portanto, é seguro dizer que 76 anos atrás, os alemães entraram em colapso e, com isso, a guerra europeia que começou em 1914.

A Alemanha não se uniu como país até 1871. O princípio unificador não era religião ou cultura, pois havia variações significativas, mas uma linguagem comum que envolvia um mito comum do passado alemão, um mito totalmente em desacordo com sua realidade. Emergindo dessa mistura complexa estava uma realidade única e poderosa. A Alemanha criou uma economia extraordinária. Rapidamente ultrapassou a França e depois a Grã-Bretanha, tornando-se a potência econômica da Europa.

O surto econômico ameaçava esgotar as matérias-primas alemãs, tornando o país refém de seus fornecedores. Estava também exaurindo o apetite por produtos alemães na Europa. Havia poucos mercados em jogo, mas a Alemanha foi forçada a olhar para além da Europa e tirar os concorrentes europeus dos mercados europeus. Esse problema não era econômico, mas político, e o problema político era, em última análise, militar.

Max Weber, famoso e ainda admirado sociólogo, disse durante a unificação que a Alemanha se tornou um Estado-nação tarde demais. A França e a Grã-Bretanha tinham impérios a partir dos quais se desenharam. A Alemanha tinha apenas a Europa. Assim, disse ele, a economia ditou que a Alemanha assegurasse seu próprio império. Ele não mencionou que as partes boas foram levadas, o resto era de menor valor e, portanto, império significava guerra. Seu pensamento se tornou comum e a Alemanha começou a construir uma marinha.

A Europa estava atenta, mas não horrorizada, com a unificação alemã. Ele ficou surpreso com a velocidade com que a Alemanha se tornou uma potência econômica, mas a maioria viu maneiras de tirar vantagem disso. Mas à medida que se tornou a potência econômica dominante da Europa e começou a modernizar suas forças armadas, a preocupação cresceu. A Alemanha procurou criar uma aliança continental. Os austro-húngaros aceitaram, mas não eram a chave. A Rússia, com seus vastos recursos, finalmente disse não. França e Grã-Bretanha não estavam preparadas para ser os parceiros juniores da Alemanha.


LIVRO RECOMENDADO

Stalingrado: 1942, o início do fim da Alemanha nazista

  • Alexander Werth (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

A Alemanha entendeu o painel militar. Rússia, França e Grã-Bretanha estavam alcançando entendimentos claros. Um ataque simultâneo da França e da Rússia, acompanhado por um bloqueio britânico, quebraria a Alemanha. Os únicos contra-ataques eram restringir seu poder econômico e militar, reduzindo assim a ameaça, mas deixando-os dependentes da boa vontade dos outros – nunca uma boa posição para se ocupar.

Alternativamente, os alemães poderiam tomar uma ação militar, forçando pelo menos um dos três poderes a capitular. Sua escolha foi esmagar a França, executar uma ação de contenção contra a Rússia e, em seguida, lidar com o poder naval britânico em uma data posterior. A chave para a realidade da Alemanha é que se o alarme sobre seu poder econômico aumentasse, a pressão para que a aliança tripla agisse aumentaria, e a Alemanha perderia sua atuação. Portanto, ela executou seu plano antes que os outros pudessem atacar. A Alemanha teria vencido, eu acho, se tivesse feito um acordo com a Rússia. Em vez disso, foi forçada a lutar contra três exércitos e perdeu.

A descrição da Segunda Guerra Mundial é a descrição da Primeira Guerra Mundial. Foi a mesma guerra. A Alemanha cresceu economicamente depois que Hitler chegou ao poder. Precisava se expandir, e a mesma coalizão de forças – Rússia, França e Grã-Bretanha – eram inimigos potenciais. Soluções políticas foram tentadas, mas a mesma necessidade de evitar uma guerra em duas frentes prendeu a Alemanha na mesma estratégia.

Após várias manobras políticas, atacou a França, desta vez derrotando seu exército, ocupando-a e expulsando a Grã-Bretanha do continente. Em seguida, atacou a Rússia, mais uma vez subestimando a capacidade russa de sobreviver a derrotas e baixas que quebrariam outros países. E totalmente deixados de fora da equação estavam os Estados Unidos, tão grandes que Hitler declarou guerra a eles, forçando-os a entrar em guerra.

O dia 8 de maio de 1945 encontrou duas potências importantes na Europa, nenhuma das quais totalmente europeia. Uma era a União Soviética. A outra foram os Estados Unidos. A Alemanha não era mais um Estado-nação unido, mas um território ocupado. Sua economia estava em frangalhos, e suas forças armadas não estavam mais sob comando alemão.



Em 1989, quase 120 anos após a primeira unificação, a Alemanha se reuniu. Sua economia, que crescia e continuou a crescer depois da reunificação, é hoje a principal potência da Europa, especialmente agora que a Grã-Bretanha deixou a União Europeia. A Alemanha aprendeu com seu passado. Sua estratégia não é manter a força militar. Procurou encontrar uma base para trabalhar com os soviéticos. Seu concorrente histórico, a Grã-Bretanha, está fora da UE, e a aliança econômica da qual é apenas um membro gira em torno do poder econômico alemão. A Alemanha tem procurado evitar a ameaça de guerra enquanto domina a Europa, garantindo que a Rússia não seja hostil e que a França não busque uma aliança com ela.

Cerca de 76 anos após sua rendição, a Alemanha é novamente o pivô econômico da Europa e a quarta maior economia do mundo. Não subestima ninguém, mas a verdade é que ninguém subestima a Alemanha. A Grã-Bretanha se separou do sindicato liderado pela Alemanha. A Rússia corteja a Alemanha, e os alemães dominaram a timidez. A França busca seu lugar ao sol, que muitas vezes é bloqueado pela Alemanha. E os Estados Unidos espreitam à distância, alegremente indiferentes aos problemas da Europa.

Cada um tinha medo mortal do outro. Agora cada um sente um leve mal-estar. E a geopolítica não é moldada pelas boas intenções, que são muitas. O 8 de maio de 1945 foi certamente uma vírgula na história. Resta saber se foi um período.


*George Friedman é analista geopolítico e estrategista de assuntos internacionais mundialmente reconhecido. É fundador e presidente da Geopolitical Futures, um think tank especializado em relações internacionais e política externa americana. É autor de diversas obras, dentre as quais os best-sellers “Os próximos 100 anos” e “A próxima década”.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. Os comentários ora narrados por aqui, dão-nos ideias e semelhanças de uma China comunistas com seus ideias de expansionismo global, usando-as métodos de uma guerra bacteriológica com andamento para uma guerra nuclear entre nações e continentes. Seu poder bélico torna-se tão insuperável segundo Xi Jinping líder comunista do PCC com suas novas tecnologias em ascensão declarou que nenhuma “força” poderia supera-lo em seus “projetos” de expansionismo mundo á fora. Resta-nos a saber que seu declínio mental e suas ambições de adquirir e governar o mundo sobre sua batuta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também