Luta irrompe em Mianmar; junta irá “considerar” plano da ASEAN

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O general Min Aung Hlaing chega à cúpula dos líderes da ASEAN em Jacarta, Indonésia, em 24 de abril de 2021 (Foto: Muchlis Jr/Palácio Presidencial Indonésio/via Reuters).

O general Min Aung Hlaing chega à cúpula dos líderes da ASEAN em Jacarta, Indonésia, em 24 de abril de 2021 (Foto: Muchlis Jr/Palácio Presidencial Indonésio/via Reuters).

Os insurgentes da minoria étnica Karen atacaram um posto avançado do exército de Mianmar perto da fronteira com a Tailândia na terça-feira, em alguns dos confrontos mais intensos desde o golpe militar que colocou o país em crise. A União Nacional Karen (KNU), a força rebelde mais antiga de Mianmar, disse que capturou o acampamento do exército na margem oeste do rio Salween, que faz fronteira com a Tailândia.

Mais tarde, os militares de Mianmar revidaram contra os insurgentes com ataques aéreos, disseram o KNU e as autoridades tailandesas. A luta ocorreu quando a junta, em um revés para os esforços diplomáticos da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), disse que consideraria “positivamente” as sugestões do bloco para acabar com a turbulência em Mianmar, mas apenas quando a estabilidade fosse restaurada.

Os líderes da ASEAN disseram depois de se reunir no fim de semana que chegaram a um consenso com a junta sobre medidas para acabar com a violência e promover o diálogo entre os lados rivais de Mianmar.

A eclosão das hostilidades na área de fronteira mudou o foco da oposição à junta dos protestos pró-democracia que ocorreram em cidades de todo o país desde o golpe de 1º de fevereiro. Os militares derrubaram o governo eleito de Aung San Suu Kyi, a detiveram com outros políticos e, em seguida, reprimiram com força letal os manifestantes anti-golpe. As forças de segurança mataram mais de 750 civis nas manifestações, disse um grupo ativista.

Karen e outras forças de minorias étnicas baseadas em regiões fronteiriças apoiaram os oponentes pró-democracia, em grande parte urbanos, da junta.

Ataque antes do amanhecer

No confronto desta terça-feira, os moradores do lado tailandês do rio disseram que tiroteios pesados ​​começaram antes do amanhecer. Vídeo postado nas mídias sociais mostrou chamas e fumaça na encosta florestal e as forças da KNU capturaram o posto avançado, disse o chefe de relações exteriores do grupo, Saw Taw Nee, à Reuters.

Posteriormente, os militares de Mianmar montaram ataques aéreos, disse ele. Não houve nenhuma palavra sobre as vítimas e 450 aldeões tailandeses foram removidos da fronteira para um local seguro, disseram os militares tailandeses.

O exército de Mianmar não fez comentários. Historicamente, ela se retratou como a única instituição que pode manter unido o país etnicamente diverso de mais de 53 milhões de pessoas.

O KNU concordou com um cessar-fogo em 2012, encerrando sua luta pela autonomia que começou logo após a independência de Mianmar da Grã-Bretanha em 1948.

Mas suas forças entraram em confronto com o exército desde que ele assumiu o poder, encerrando uma década de reformas democráticas que também trouxeram relativa paz às fronteiras de Mianmar.

Os combates também aumentaram no norte e no oeste, onde o site de notícias Irrawaddy informou que 13 soldados do governo foram mortos em confrontos no estado de Chin nos últimos dias.

Cerca de 24 mil pessoas estão se abrigando na selva após terem sido deslocadas nas últimas semanas pela violência perto da fronteira com a Tailândia, incluindo ataques aéreos militares, dizem grupos de Karen.

“Consideração cuidadosa”

Em outras partes de Mianmar, houve poucos relatos de derramamento de sangue desde a reunião do fim de semana entre o chefe da junta, general Min Aung Hlaing, e líderes do sudeste asiático para tentar encontrar uma saída para a crise.

A junta, em seu primeiro comentário oficial sobre a reunião, disse que “consideraria cuidadosamente as sugestões construtivas … quando a situação voltar a se estabilizar”.

As sugestões seriam “consideradas positivamente” se facilitassem o “roteiro” da própria junta e “atendessem aos interesses do país”, disse o órgão em um comunicado.

A junta não se referiu ao que a ASEAN chamou de consenso de cinco pontos, emitido no final da reunião, para encerrar a violência e iniciar negociações entre os rivais de Mianmar.

Os pontos da ASEAN incluíram a nomeação de um enviado para visitar Mianmar para conversações com todos os lados. Mas Min Aung Hlaing, em comentários relatados na mídia estatal, disse que “As visitas a Mianmar propostas pela ASEAN serão consideradas após a estabilização do país.”

Ativistas criticaram o plano, dizendo que ajudou a legitimar a junta e ficou aquém de suas demandas. Em particular, não pediu a libertação de Suu Kyi, 75, e outros presos políticos. O grupo de defesa da Associação de Assistência a Presos Políticos afirma que mais de 3.400 pessoas foram detidas por se oporem ao golpe.

O partido de Suu Kyi ganhou um segundo mandato em novembro. A comissão eleitoral disse que a votação foi justa, mas os militares disseram que a fraude nas urnas forçou a tomada do poder.

Os manifestantes contra a junta estiveram em vários lugares nesta terça-feira, incluindo a principal cidade de Yangon, onde centenas fizeram uma marcha “flash mob” pelas ruas cantando slogans e segurando cartazes, mostraram imagens nas redes sociais.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. boa tarde,
    Diante dos acontecimentos não se tem muito a fazer. De um lado as Forças armadas do outro grupos rebeldes, como negociar com a parte adversaria que deseja secessão e não reconhece a autoridade institucional de órgãos militares.
    Meio edifício um acordo, pra não falar impossível, o jeito democrático; arrumado, pomposo. Tem utilidade para parte mais fraca, assim ela ganha tempo para se armar, estabelecer terreno, enquanto as legalista ficam algemas a inação, de um acordo de paz que ambos desejam romper, quando melhor o tempo lhe aprouver.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também