China encara um balanço financeiro

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
capa-1

Artigo publicado por Phillip Orchard no Geopolitical Futures. Traduzido e adaptado por Albert Caballé Marimón*


Foto: The Cryptoreport.com.

Tomando por base o caso recente do Alibaba/Ant Group, é difícil discernir se acontecimentos incomuns são um sinal da fraqueza ou força de Pequim. A repressão a conglomerados de tecnologia trará medo em Pequim de que seu crescente controle sobre dados e informações, que o Partido Comunista da China deseja monopolizar, se traduzirão em poder político e romperão falhas históricas regionais e socioeconômicas da China? Ou Pequim está apenas se flexionando a serviço de uma política prudente?


É de se perguntar o que Jack Ma estava pensando quando, em um discurso em Xangai no final de outubro, o fundador do Alibaba e Ant Group atacou os reguladores chineses excessivamente zelosos, acusando-os de ter uma “mentalidade de casa de penhores” e sufocando a inovação. Pequim prontamente suspendeu a oferta pública inicial do Ant Group, que se esperava que fosse a maior da história, custando a Ma pessoalmente cerca de US$ 3 bilhões. Dias depois, Pequim revelou uma nova legislação antimonopólio que afetará grande parte do império de Ma.

O fato de os comentários de Ma terem afetado o nervo não foi surpreendente. À medida que os conglomerados de tecnologia chineses, como o Ant Group, se expandiram rapidamente para fintech e serviços financeiros, eles efetivamente se tornaram bancos pouco regulamentados. E o governo do presidente chinês Xi Jinping está obcecado em reduzir os riscos financeiros. Embora Pequim precise das inovações dessas empresas para levar liquidez aos cantos da economia que o sistema bancário chinês luta para atender, isso inevitavelmente torna mais difícil evitar uma crise financeira em cascata. Quando forçada a escolher entre dinamismo e estabilidade, Pequim quase sempre escolhe a última.

Curiosamente, no entanto, nas semanas que se seguiram aos comentários de Ma, Pequim quase não se mexeu quando as empresas estatais (SOE, State-owned enterprises) de vários setores começaram a anunciar publicamente o inadimplemento de obrigações de títulos corporativos. A inadimplência por parte de empresas chinesas apoiadas pelo estado é extremamente rara, dado seu acesso preferencial ao crédito estatal. Portanto, qualquer indício de que as empresas estatais estão prestes a entrar em default, ou os bancos estatais à beira da falência, tende a levar os mercados financeiros chineses à beira do pânico. Isso aconteceu uma semana depois de Xi ter elogiado as estatais chinesas por se mostrarem ainda mais confiáveis ​​do que suas contrapartes privadas na resposta à pandemia COVID-19, prometendo torná-las maiores, melhores e mais fortes.

A confluência de eventos diz muito sobre o caminho que Pequim está trilhando para evitar um acerto de contas financeiro. Mas também sugere que Pequim acha que encontrou um modelo de capitalismo de estado que a permite comer seu bolo e também mantê-lo.

LIVRO RECOMENDADO

O poder da China

  • Ricardo Geromel (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e capa comum

Os problemas

Em 2017, Xi elevou a estabilidade financeira ao nível de segurança nacional em termos das prioridades do Partido Comunista Chinês. Há um bom motivo para essa fixação: nenhum país na história acumulou tantas dívidas tão rapidamente quanto a China sem sucumbir a um colapso financeiro, de acordo com o Banco Mundial. Enquanto a economia da China estava galopando em um crescimento de dois dígitos, com o setor corporativo inundado em lucros fáceis para encobrir ineficiências e um sistema imaturo de risco de precificação, as chances de uma crise financeira incontrolável eram baixas. Mas à medida que o modelo de crescimento chinês mudou de um impulsionado pelas exportações e liberalização de terras para o investimento, e à medida em que o crescimento do produto interno bruto entrou em uma longa, embora gradual, desaceleração, a margem de erro começou a diminuir consideravelmente. As coisas ficaram particularmente complicadas depois da crise financeira global de 2008, quando Pequim liberou uma quantidade impressionante de estímulos, efetivamente dando aos governos locais um cheque em branco, e então se viu incapaz de reduzir o ritmo sem colocar todo o sistema em parafuso.

Desde 2017, a administração de Xi tem tentado implementar um conjunto de reformas ambiciosas de “redução do risco”. Isso incluiu a revisão do aparato regulatório, o envio de autoridades anti-suborno atrás de funcionários e magnatas rebeldes e a repressão aos governos locais e provinciais e aos bancos para que limpem seus livros e evitem as práticas de “empréstimos paralelos”. Também deu ao banco central rédea solta para mexer indefinidamente no sistema em busca de um equilíbrio evasivo entre liquidez e controle. Mas esse esforço foi prejudicado por dois problemas crônicos, ambos resultados da insistência de Pequim em manter um sistema centrado no Estado.

Um é um sistema bancário distorcido que é fortemente incentivado a se concentrar nas necessidades das mais de 150.000 empresas estatais da China (a maior parte das quais são propriedade de governos provinciais e locais) e projetos que os bancos suspeitam que serão priorizados pelo partido – e, portanto, sendo garantido que não quebrariam – à custa de todo o resto. Como resultado, o sistema não é particularmente bom em precificar o risco ou distribuir crédito para áreas da economia que não têm apoio estatal implícito. É particularmente ruim para atender às necessidades de famílias e pequenas e médias empresas, que tendem a ter históricos de crédito escassos ou ativos disponíveis para garantia, mas que agora representam a parcela esmagadora do emprego na China. Isso força as empresas e os governos locais com falta de dinheiro a buscar financiamento por meio de veículos de empréstimo paralelo (cuja opacidade deixa Pequim nervosa) e as famílias a depender de coisas como plataformas de empréstimos ponto a ponto (cuja volatilidade deixa Pequim muito nervosa como uma fonte potencial de agitação social). Também criou uma oportunidade para empresas fintech como o Ant Group preencherem a lacuna no financiamento voltado para o consumidor.

Mapeamento do sistema bancário paralelo da China.

Tudo isso obriga os reguladores a agir com cautela ao implementar novas medidas de redução de riscos. Vá longe demais, rápido demais, e o setor privado pode enfrentar uma crise de crédito – como aconteceu em 2018 e 2019, mesmo antes da pandemia – e o crescimento acalentado da China pode parar. Mova-se muito devagar e a poupança das famílias – o grande estabilizador e rede de segurança da economia chinesa – pode cair, bolhas imobiliárias especulativas podem estourar e qualquer número de interligações pode se romper de uma vez.

O outro problema central é o risco moral. Simplificando, dado o medo existencial de Pequim do desemprego e da agitação social, credores e investidores, compreensivelmente, presumem que o estado, mais frequentemente do que não, virá em seu socorro se as coisas derem errado e apresentarem qualquer grau de risco sistêmico. Pequim também percebe que se as pessoas pensam que o estado está garantindo seus depósitos ou investimentos, e o estado não cumpre sua promessa (implícita ou não), é provável que as pessoas dirijam sua ira não para bancos ou empresas mal administrados, mas contra o próprio estado. Naturalmente, isso incentiva todos os tipos de empréstimos arriscados e atividades de investimento. Isso é particularmente verdadeiro no caso de empresas estatais e bancos estaduais. Pequim vê essas entidades como ferramentas inestimáveis ​​para absorver o excedente de empregos e financiamento ou realizar projetos priorizados para o desenvolvimento social ou objetivos diplomáticos, bem como para intermediar a paz entre facções e aprofundar a dependência da boa vontade do partido. Ele está disposto a tolerar uma falta de lucro e eficiência no setor estatal no serviço a esses objetivos ulteriores. Os governos locais, por sua vez, dependem das empresas estatais que controlam para contornar as restrições regulatórias e cumprir as metas de emprego e crescimento estabelecidas pela cúpula.

Os reguladores podem reclamar dos modos perdulários do setor estatal, mas geralmente não estão dispostos a expô-los totalmente às forças do mercado e deixar os bancos estatais, em particular, à mercê de perdas. As poucas vezes em que tentaram, as coisas deram errado. O mais próximo que a China chegou de ter seu próprio momento Lehman Brothers foi em junho de 2013, por exemplo, quando Pequim se recusou brevemente a intervir após um default técnico entre dois pequenos bancos. Isso fez com que as taxas de empréstimos interbancários disparassem, paralisando os empréstimos e desencadeando uma crise de liquidez que começou a se espalhar pelo restante da economia. Pequim recuou rapidamente e o alegre circo continuou.

As soluções

Os eventos do mês passado são apenas a última iteração desse impulso e atração entre o mercado e o estado. Mas, como geralmente é o caso da China, é sempre difícil discernir se acontecimentos incomuns são um sinal da fraqueza ou força de Pequim. A repressão aos conglomerados de tecnologia trará um medo crescente em Pequim de que sua crescente riqueza e controle sobre dados e informações (coisas que o Partido Comunista da China deseja monopolizar) se traduzirão em poder político e romperão as falhas históricas regionais e socioeconômicas da China? Ou Pequim está apenas se flexionando a serviço de uma política prudente? (O Ant Group aquiesceu rapidamente, afinal.) Deixar as estatais inadimplentes sugere que a escala dos problemas da dívida da China está ultrapassando a capacidade de Pequim de responder, ou a campanha de redução de riscos financeiros de Pequim foi tão bem-sucedida que parece ser hora de ensinar uma ou duas lições sobre responsabilidade às empresas estatais perdulárias?

Na maioria dos casos, há um elemento de ambos. Um sentimento permanente de crise e oportunidade entrelaçadas é o principal motor do comportamento do Partido Comunista. Mas o que é diferente desta vez é que Pequim parece realmente sentir que suas medidas estão funcionando. A pandemia foi o teste de estresse final do sistema chinês. E o sistema em geral saiu ileso – até mesmo estável o suficiente para arriscar um pânico no mercado ao deixar as estatais sucumbirem ou para arriscar outra crise de liquidez ao sobrecarregar as inovações das fintech com novas regulamentações. Isso é feito sem recorrer ao estímulo no estilo de 2008. É feito ao mesmo tempo em que reprime Hong Kong, apesar do risco de espantar o tão necessário investimento estrangeiro. Isso aconteceu quando o foco da pressão econômica dos EUA sobre a China mudou do comércio para as finanças.

Inadimplência de títulos por empresas chinesas.

Número de empresas “zumbis” chinesas.

Na verdade, Pequim acredita que a pandemia, assim como a crise financeira global de 2008, ilustrou de muitas maneiras a superioridade da abordagem chinesa à estabilidade financeira – ou pelo menos o que Pequim espera que o sistema se torne, com alguns ajustes tecnocráticos adicionais, alguma eliminação de elementos corruptos e injeções regulares de ideologia partidária para fazer com que todos marchem na mesma direção. E, com certeza, Pequim merece crédito por capacitar seus reguladores a empreenderem reformas dolorosas antes que a crise estourasse e por implementar um sistema regulatório anticíclico projetado para se ajustar rapidamente, apertando e relaxando o controle conforme as mudanças nas condições exigem. Ele pode contar com sucessos reais na redução dos empréstimos paralelos e no fechamento de “empresas zumbis” de maneira relativamente controlada. O que falta ao sistema em incentivos de mercado para agir com prudência, Pequim conseguiu compensar, até certo ponto, introduzindo o medo de Xi. Talvez este seja um dos benefícios de viver com medo constante de que uma crise existencial espera na próxima esquina – é muito menos provável que você seja pego de surpresa.

As contradições fundamentais embutidas no modelo da China permanecem, no entanto. É improvável que algum dia abrace uma recessão purificadora, mas potencialmente desestabilizadora. Não se trata de reduzir o papel dos bancos e empresas estatais. Continuará sendo extremamente difícil eliminar completamente o risco moral e persuadir as instituições financeiras a agirem contra seus próprios interesses, contanto que considere uma economia centrada no estado essencial para a sobrevivência do partido. Há uma troca inevitável entre dinamismo e controle. Mesmo que esse modelo continue a adiar uma crise cataclísmica, será difícil evitar uma longa desaceleração. Em outras palavras, o balanço financeiro da China provavelmente não pode ser evitado para sempre, mas é provável que se pareça muito mais com as décadas perdidas do Japão do que com o que foi enfrentado pela Coreia do Sul e grande parte do Sudeste Asiático durante a crise financeira asiática de 1997. Tendo em vista quais seriam as consequências deste último na China, ela ficará feliz em fazer essa troca.


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing. Depois de atuar trinta e sete anos em empresas nacionais e multinacionais, há cinco anos dedica-se à atividade de pesquisador nas áreas de História Militar, Defesa e Geopolítica. É fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX, a Operação Acolhida, a Operação Treme Cerrado e proferiu palestras na AFA, Academia da Força Aérea. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra. E-mail caballe@gmail.com.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

4 comentários

  1. Quando en 1979,Deng Xiaoping liberalizou a economia chinesa, com os dizeres: “Não importa se o gato é preto ou branco desde que pegue o rato”. Ele fez o certo, deixar as pessoas respirarem e viver seus sonhos. De lá para cá, o keynisianismo misturado com livre mercado, tem se esgotado e o cálculo econômico vai chegar para a ditadura chinesa, como chegou para a União Soviética. Quanto mais o estado chinês tentar sufocar crises e a inovação, com regulações mais ele vai acelerar que o cálculo econômico cobre seu preço. Uma coisa que o autor do artigo não cita é que trump congelou ativos chineses nos EUA que dá aproximadamente 10 trilhões de dólares. Diz a lenda que esses ativos era a arca da salvação para membros do pcc chinês caso o comunismo implodisse dentro da china. Pode demorar 10,20 ou 100 anos, mas nenhuma sociedade que não seja livre prospera, e cada crise que o governo chinês debela, acelera o círculo de estagnação, decadência e anarquia que de tempos em tempos acomete a China por culpa de um estado burocrático, centralizador e violento. A última vez que isso acometeu a china foi de 1912 até 1949.

  2. Após a crise de 2008 os bancos centrais das principais moedas – dólar, euro e iene- adotaram um expansionismo monetário nunca antes visto na história.
    Vivemos uma época de hiperinflação monetária. Países europeus com dívidas impagáveis e se financiando a juros negativos, Japão com 300% de dívida sobre o PIB e emitindo títulos de longuíssimo prazo com muitos irrisórios.
    Nos EUA dezenas de empresas que dão prejuízos a anos, valendo bilhões na bolsa e pagando as contas com recursos captados no mercado.
    Até mesmo o Brasil que possui uma moeda ruim – comparada ao dólar e euro- está com juros baixo mesmo com a dívida saindo de controle.
    É nesse cenário de extrema liquidez e irresponsabilidade monetária que a China tem conseguido financiar seu insustentável crescimento, construindo cidades fantasmas, sustentando milhares de estatais deficitárias e subsidiando diversos setores considerados estratégicos.
    Países quebrados como Itália e Grécia e sem futuro, estagnados a décadas, estão captando recursos a juros baixo.
    Não dá para prever o futuro e até onde os países conseguiram sustentar essas políticas monetárias, esse excesso de liquidez, dívidas explodindo e juros em queda.
    Os juros, em última instância, deveria refletir os riscos de um negócio. Mas quando em algum momento do futuro os juros subirem, principalmente os juros em dólar, aí quero ver como a China, o Japão e a UE irão se comportar.
    Com todas as críticas que se possa fazer, os EUA ainda são a economia mais confiável. Apesar das duas últimas décadas de péssimas decisões econômicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também