A liderança do general David Petraeus

B-Top-720x75px-V-Unit.jpg

Farinazzo-04.png Por Robinson Farinazzo*

Baixar-PDF


Apoie o Velho General: contribua com a manutenção do blog, conheça as opções.


Capa-PDF.jpg
General David Howell Petraeus (Foto: Shah Marai/ AFP/Getty Images).

“Os problemas da construção da paz são infinitamente mais complexos que aqueles encontrados na condução de uma campanha militar. No intrincado quebra-cabeças que é comandar com sucesso a ocupação de um país com tropas, Petraeus revelou-se uma das grandes lideranças de nosso tempo”.

Robinson Farinazzo Casal


O artigo que vocês lerão a seguir destaca as decisões do general David Petraeus durante as ocupações militares de dois países: Iraque e Afeganistão. O autor deseja ressaltar, porém, que desaprova o ataque, ocupação, permanência de tropas invasoras ou outros tipos de interferências estrangeiras (que não sejam conduzidas sob chancela da Organização das Nações Unidas) em qualquer país da comunidade internacional.

Entretanto, há que se reconhecer que algumas das ações de Petraeus foram autênticos brotos de esperança que floresceram em meio ao pântano da guerra.

O filme “War Machine”, um estrondoso sucesso da Netflix em 2017, termina com o personagem vivido pelo ator Brad Pitt (uma paródia da vida do general Stanley McChrystal) removido de seu posto no Afeganistão após numa desastrada entrevista à revista Rolling Stone. Considerando que o roteiro desta película é totalmente baseado em fatos reais, as cenas finais do filme fazem pouca justiça ao general que sucedeu McChrystal no Afeganistão.

A história a seguir corroborará esta afirmação.

Consideradas as últimas cinco décadas, apenas três grandes generais norte-americanos conseguiram destaque mundial positivo por seu trabalho. O primeiro deles foi Norman Schwarzkopf Jr. (1934-2012), um aguerrido veterano da Guerra do Vietnã (1955-1975) que comandou com rara competência os 750 mil militares de diversos países na Operação Desert Storm (1991), que expulsou as tropas iraquianas de Saddam Hussein do Kuwait que haviam invadido.

O outro foi Colin Luther Powell. Nascido no bairro pobre do Harlem, Nova York, em 1937 e, também veterano do Vietnã, ele foi o primeiro afro-americano a presidir a Junta de Chefes de Estado Maior das Forças Armadas dos EUA (1989 a 1993), bem como o primeiro Secretário de Estado (2001 a 2005) com estas origens. Seu nome chegou a ser cotado para a candidatura à Presidência da Republica dos EUA.

O terceiro foi David Howell Petraeus, o homem que sucedeu McChrystal no Afeganistão. Nascido em 1952, Petraeus pertence a uma geração de militares americanos que enfrentou seus maiores desafios nas guerras do Oriente Médio. O cadete inteligente e atlético que ele foi na Academia Militar de West Point já prenunciava o que seria sua carreira militar, mas Petraeus foi muito além do esperado.

LIVRO RECOMENDADO:

Cowboys Over Iraq: Leadership from the Saddle

  • Jimmy Blackmon (Autor) e David Petraeus (Prefácio)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa Dura

Durante toda a sua vida ele estudou muito, principalmente as operações de contra insurgência, tornando-se um especialista no assunto – sua tese de doutorado chamou-se “As Forças Armadas Americanas e as lições do Vietnã: um estudo de influência militar e uso da força na era pós-Vietnã”.

Começou sua carreira de oficial numa unidade dos Rangers, e a experiência que adquiriu trabalhando em unidades de infantaria leve seria decisiva para sua visão das guerras. Petraeus é um homem que sabe da importância da iniciativa nos pequenos escalões.

Em 1991, comandando um batalhão de paraquedistas como tenente-coronel, passou por uma dura prova que quase põe fim à sua carreira (e sua vida). Num perigoso exercício de fogo real, um soldado tropeçou, tendo seu rifle disparado a seguir e atingido Petraeus no peito. Operado às pressas, ele recuperou-se rapidamente e convenceu os médicos a anteciparem sua alta pouco depois fazendo cinquenta flexões sem descansar!

Em 2000, já general-de-brigada, quebrou sua pélvis num acidente de skydive civil, quando sofreu um pouso brusco com seu paraquedas. Nenhum destes dois acidentes, ambos causadores de grandes sofrimentos físicos, detiveram seu ímpeto de seguir em frente, o que dá uma medida da vitalidade e da força de vontade do homem.

Mas os anos que viriam a seguir seriam os mais duros de sua carreira, e também os mais importantes em termos do legado deste grande soldado. É o que veremos numa segunda parte deste artigo.

Assista o trailer de “War Machine”. O papel de Petraeus (que só aparece nos minutos finais do filme), é desempenhado pelo ator Russel Crowe. E baixe as instruções de liderança do general Petraeus para as tropas no Afeganistão.

Banner-loja-02.jpg


*Robinson Farinazzo é capitão-de-fragata (FN) da reserva da Marinha do Brasil, expert em tecnologia aeronáutica e consultor de Defesa. Com mais de trinta e cinco anos de carreira militar, extensa experiência de campo e formação superior em Administração de Empresas, é editor do Canal Arte da Guerra no YouTube e articulista do Blog Velho General. E-mail: robinsonfarinazzo@gmail.com.


 

3 comentários sobre “A liderança do general David Petraeus

Deixe uma resposta para osroc7 Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s