Turquia abate caças sírios; conflito se intensifica

Albert-VF1 Por Albert Caballé Marimón*

Baixar-PDF


Apoie o Velho General: contribua com a manutenção do blog, conheça as opções.


Capa-PDF.jpg
Aeronave Su-24, mesmo modelo das abatidas pela Turquia (Foto: TASS/Lev Fedoseyev).

Numa escalada em retaliação pela morte de 33 soldados em ataque na última semana, a Turquia abateu duas aeronaves Su-24 da força aérea da Síria. A mídia do país de Assad afirma que os pilotos saltaram de paraquedas e ninguém se feriu.


Com informações da Reuters, Al-Jazeera e Bloomberg

A retaliação pelo assassinato de 33 soldados turcos pelas forças sírias na semana passada envolveu um número sem precedentes de drones em ação coordenada, disse uma autoridade na Turquia com conhecimento direto da política síria do presidente Recep Tayyip Erdogan. Foi a primeira vez que um país comandou o espaço aéreo em uma área tão grande usando enxames de drones, segundo o oficial.

Hoje, a Turquia derrubou dois aviões de guerra sírios sobre Idlib e atingiu um aeroporto militar muito além de suas linhas de frente em uma acentuada escalada de suas operações militares.

A agência de notícias SANA da Síria confirmou que as aeronaves foram atingidas na província de Idlib, no noroeste, mas disse que ninguém ficou ferido no ataque. Os pilotos usavam paraquedas e pousavam em segurança, acrescentou.

Os jatos foram abatidos enquanto tentavam atacar aviões turcos, disse o ministro da defesa da Turquia, sem dar mais detalhes. A Turquia bombardeou os sistemas de defesa aérea da Síria depois de derrubar um drone armado turco em Idlib.

Já havia enviado milhares de tropas e veículos militares à província de Idlib, no noroeste da Síria, no mês passado, para conter os avanços das forças do governo sírio que deslocaram 1 milhão de pessoas perto da fronteira sul da Turquia.

LIVRO RECOMENDADO:

Dias de inferno na Síria: O relato do jornalista brasileiro que foi preso e torturado em plena guerra

  • Klester Cavalcanti (Autor)
  • Em português
  • Capa Comum

Já hospedando 3,6 milhões de refugiados sírios, Ancara está determinada a impedir qualquer fluxo adicional da Síria. Também permitiu que os migrantes cruzassem suas fronteiras em direção à União Europeia, em um aparente esforço para pressionar pelo apoio da UE no enfrentamento da crise na Síria.

O ministro da Defesa, Hulusi Akar, disse que nos últimos quatro dias as forças turcas destruíram oito helicópteros, 103 tanques, 72 obuseiros, lançadores de foguetes, um drone e seis sistemas de defesa aérea. Ele chamou a operação da Turquia, sua quarta incursão na Síria em quatro anos, “Operação Spring Shield”.

Em resposta, o exército da Síria disse que abateu três drones turcos e avisou que derrubaria qualquer aeronave que viole o espaço aéreo no noroeste, controlado por anos pelo principal aliado do presidente sírio Bashar al-Assad, a Rússia.

Apesar do aviso, os aviões de guerra turcos derrubaram duas aeronaves Su-24 sírias, enquanto a agência estatal Anadolu, da Turquia, disse que as forças armadas turcas haviam tornado inutilizável o aeroporto de Nayrab, a oeste da cidade de Aleppo.

Comandantes da oposição apoiados pela Turquia também disseram que o aeroporto de Kuweires, a leste de Nayrab, foi bombardeado desde a meia-noite. Ambos os aeroportos estão bem no interior do território controlado pelo governo sírio, marcando uma expansão significativa dos alvos de Ancara.

O conflito arriscou levar a Rússia e a Turquia, que cooperaram por anos para conter o conflito, apesar de apoiar lados rivais na guerra de nove anos da Síria, a um conflito direto.

“Não temos a intenção nem a ideia de enfrentar a Rússia. Nossa única intenção é que o regime (sírio) termine o massacre e, assim, impeça … a radicalização e a migração”, disse Akar, da Turquia.

Ele disse que 2.212 membros das forças sírias foram “neutralizados”, termo usado para designar mortos, feridos ou capturados. O Observatório Sírio, um monitor de guerra com sede na Grã-Bretanha, disse que 74 soldados do governo sírio e combatentes pró-Damasco foram mortos desde 27 de fevereiro.

Cinquenta e cinco tropas turcas foram mortas em Idlib em fevereiro.

Todos os homens do Kremlin: Os bastidores do poder na Rússia de Vladimir Putin por [Zygar, Mikhail] LIVRO RECOMENDADO:

Todos os homens do Kremlin: Os bastidores do poder na Rússia de Vladimir Putin

  • Mikhail Zygar (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum

Diplomacia de crise

Os esforços diplomáticos de Ancara e Moscou para neutralizar as tensões não chegaram a um acordo de cessar-fogo em Idlib, parte da última grande fortaleza rebelde da Síria.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse no sábado que, embora houvesse progresso nas negociações entre as delegações turca e russa, a questão do Idlib seria resolvida apenas entre os presidentes Tayyip Erdogan e Vladimir Putin.

Um alto funcionário turco e um oficial de segurança disseram que a reunião será realizada na quinta-feira em Moscou. As autoridades disseram que os dois líderes discutem medidas a serem tomadas no Idlib e que eles devem chegar a um acordo mútuo.

O Kremlin disse esperar que Erdogan e Putin se encontrem na quinta ou sexta-feira. Cavusoglu e seu colega russo Sergei Lavrov concordaram com a necessidade de criar uma “atmosfera favorável” para melhorar as relações de trabalho entre seus países, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Os últimos combates em Idlib desabrigaram um milhão de civis desde dezembro, muitos deles mulheres e crianças fugindo para a fronteira turca.

A Turquia disse que permitirá que os migrantes entrem na Europa em antecipação a um iminente novo fluxo de migrantes vindo de Idlib, suspendendo as restrições aos movimentos em vigor desde 2016 sob um acordo com a União Europeia.

A polícia grega disparou gás lacrimogêneo para repelir centenas de migrantes que tentavam atravessar a fronteira com a Turquia no domingo, disseram testemunhas, com milhares mais atrás deles depois que Ancara relaxou os movimentos.

As fronteiras da Turquia com a Europa foram fechadas para os migrantes, conforme o acordo entre a UE e a Turquia que interrompeu a crise migratória de 2015-16, quando mais de um milhão de pessoas entraram na Europa.

LIVRO RECOMENDADO:

Erdogan’s Empire: Turkey and the Politics of the Middle East

  • Soner Cagaptay (Autor)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa Dura

“História de terror”

As hostilidades renovadas em Idlib deslocaram quase um milhão de pessoas, principalmente mulheres e crianças, segundo as Nações Unidas. Também foi confirmada a morte de cerca de trezentos civis.

Os socorristas da defesa civil síria disseram à Al Jazeera que quatro civis foram mortos, incluindo uma criança, em um ataque aéreo no domingo por forças do governo perto da cidade de Maaret Masreen, em Idlib.

Mark Lowcock, chefe da agência humanitária da ONU, descreveu a situação como a “maior história de horror humanitário do século 21” e pediu um cessar-fogo imediato.

Em uma manifestação pró-turca na cidade de Hazzaneh, em Idlib, Hussein al-Hamad disse que Ancara interveio em Idlib “com base no pedido do povo sírio livre”.

“Estamos em total apoio à operação das forças armadas da Turquia em Idlib e, se Deus quiser, libertaremos todas as cidades da província”, disse al-Hamad à Al Jazeera.

“A forte intervenção da Turquia confirma a continuação das batalhas para recuperar o controle das áreas tomadas pelas forças do regime sírio e seus aliados russos e milícias iranianas”.

O morador de Idlib, Othman Abu Fadi, também reagiu positivamente à operação militar da Turquia.

“Todos esperamos que algo positivo aconteça para aliviar o sofrimento do povo sírio. Precisamos de um aliado como a Turquia para empurrar ativamente as forças do governo sírio”, disse Fadi à Al Jazeera.

“O moral estava baixo quando soubemos do avanço do regime em Idlib, mas com os rebeldes assumindo o controle de Saraqeb, nossa fé nos grupos da oposição ressurgiu, especialmente com suas posições em Jabal Zawiya e Sahl-al-Ghab. Esperamos. daqui a um mês, Idlib estará sob controle total dos rebeldes”.

Banner-loja-02.jpg


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing, é fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX e a Operação Acolhida. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra, onde, entre outras atividades, mantém uma resenha semanal de filmes e documentários militares. Entre suas atividades, já proferiu palestras para os cadetes da Academia da Força Aérea. Pode ser contatado através do e-mail caballe@gmail.com.


 

Um comentário sobre “Turquia abate caças sírios; conflito se intensifica

Deixe uma resposta para osroc7 Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s