Clipping Suleimani

B-Top-720x75px-V-Unit.jpg

Albert-VF1 Por Albert Caballé Marimón*

Baixar-PDF

Capa-PDF.jpg
General Qassem Suleimani, em reunião de membros da Guarda (Escritório do Líder Supremo Iraniano via AP).

Selecionamos algumas das principais matérias da imprensa internacional sobre a morte do iraniano de Qassem Suleimani.


Time

Por que o assassinato dos EUA do líder da força Quds iraniana, Qassem Suleimani, tem o apoio dos EUA para retaliação

https://time.com/5758250/qasem-Suleimani-iran-retaliation/

Karl Vick – 3 de janeiro de 2020

O assassinato do general Qassem Suleimani do Irã na sexta-feira imediatamente provocou preocupação de que a guerra assimétrica que ele defendia não apenas sobreviveria à sua morte, mas também o vingaria.

As instalações militares dos EUA em todo o Oriente Médio aumentaram a segurança e a embaixada americana instou os cidadãos americanos a “deixar o Iraque imediatamente” depois que o Pentágono confirmou que o presidente Donald Trump havia ordenado o ataque contra Suleimani.

O assassinato não foi como outros ataques para eliminar os inimigos dos EUA – os ataques que mataram Osama bin Laden ou o líder do ISIS Abu Bakr al-Baghdadi. Suleimani era uma figura pública importante no Irã, um grande general da Guarda Revolucionária, que era facilmente o funcionário mais popular de um governo iraniano que geralmente não o é. Dentro do Irã, e nas mensagens de mídia social circuladas globalmente, ele foi o líder e arquiteto-chefe das ambições regionais do Irã – na Síria, Líbano, Iêmen e, mais imediatamente no Iraque, onde encontrou seu fim.

“Suleimani era a face internacional da resistência”, afirmou o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, “e todos os amantes da resistência serão seus vingadores”. Ele prometeu que “uma retaliação dura está aguardando”.

Depois de anunciar sua morte, a televisão estatal iraniana suspendeu toda a programação e exibiu uma fotografia de Suleimani acompanhada de recitações tristes do Alcorão, sinalizando um grande evento. A TV estatal também começou a transmitir imagens das forças iranianas em combate, da Guerra Irã-Iraque – na qual Suleimani lutou – ao Líbano e à Síria.

A morte de Suleimani, em uma estrada no aeroporto internacional de Bagdá, ameaçou aumentar drasticamente as hostilidades dos EUA com o Irã. O ataque aéreo foi a segunda resposta militar de Trump às medidas iranianas que se tornaram cada vez mais audaciosas nos sete meses em que ficaram sem resposta. O ciclo atual começou em 27 de dezembro, quando um ataque de foguetes contra uma base dos EUA no norte do Iraque matou um empreiteiro de defesa que trabalhava para os americanos.

Trump culpou o ataque a uma milícia apoiada pelo Irã, Kataib Hezbollah, e no domingo os aviões dos EUA atingiram a milícia, matando 24. Dois dias depois, os militantes invadiram a Embaixada dos EUA em Bagdá, queimando anexos e gritando “Morte à América”. a multidão na embaixada foi o fundador do Kataib Hezbollah, Abu Madhi Muhandis, que foi morto no ataque junto com Suleimani.

Suleimani, 62 anos, comandou a Força Quds, o ramo da Guarda Revolucionária responsável pelas operações no exterior, desde sabotagem e ataques terroristas até o fornecimento de milícias que operavam como forças substitutas do Irã. No Afeganistão, ele defendeu a cooperação com as forças dos EUA contra o Taleban, um grupo fundamentalista sunita que era uma ameaça constante ao Irã, que se vê como o líder da seita xiita rival do Islã. Mas a aliança provisória não sobreviveu à inclusão do Irã pelo presidente George W. Bush em seu “eixo do mal” e depois da invasão do Iraque em 2003 pelos EUA, que colocou mais de 100.000 tropas americanas na fronteira com o Irã.

A resposta em evolução do Irã à invasão pode oferecer uma pista de como responderá ao assassinato de Suleimani. Em ocasiões em que os EUA demonstraram força militar, a República Islâmica apareceu intimidada. Horas depois de um ataque de mísseis de cruzeiro dos EUA em 2003 contra Ansar al-Islam, um grupo terrorista sunita no norte do Iraque que o Irã achou conveniente para ajudar, Teerã fechou a fronteira sobre a qual havia fornecido armas e ficou muito baixo. E de acordo com estimativas de inteligência publicadas nos EUA, foi após a queda de Saddam Hussein que o Irã, aparentemente intimidado pelas forças americanas ao lado, abandonou o trabalho em uma ogiva atômica, enquanto continuava o lado civil de seu programa nuclear.

Mas quando a resistência armada aumentou contra os EUA durante a Guerra do Iraque, a Força Quds de Suleimani se juntou à luta. O Irã financiou milícias armadas que bombardeiam bases americanas e instalações diplomáticas – e forneceu armadilhas aprimoradas capazes de penetrar na blindagem dos EUA. Os chamados EFP (penetradores formados de forma explosiva) foram responsáveis ​​por pelo menos 250 mortes dos EUA no Iraque.

Suleimani nunca foi de esconder sua luz. Em 2008, um intermediário enviou uma mensagem escrita ao general David Petraeus, que então comandava as Forças Multinacionais no Iraque. “General Petraeus”, dizia, “você deve estar ciente de que eu, Qassem Suleimani, controlo a política do Irã para o Iraque, Síria, Líbano, Gaza e Afeganistão”.

Na década que se seguiu, Suleimani foi o rosto de um regime iraniano fortemente fortalecido pela invasão do Iraque pelos EUA, que primeiro derrubou seu inimigo de longa data, Saddam Hussein, e liberou o poder eleitoral da maioria xiita do Iraque em um sistema democrático nos EUA. estabelecido em linhas sectárias. Com a retirada dos EUA da região e a desestabilização da Primavera Árabe, o Irã aproveitou a descida da região para campos sectários – sunitas contra xiitas – à medida que as identidades nacionais desmoronavam.

Na Síria, o Irã enviou suas próprias forças para salvar o presidente Bashar Assad e as do Hezbollah, a milícia que havia criado no Líbano décadas atrás. Ele encontrou um novo cliente nos rebeldes houthis do Iêmen, que levou os rivais regionais da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos a uma guerra cruel. E apesar de um investimento de US$ 1 trilhão nos EUA e de milhares de vidas americanas, o Irã permaneceu de longe o país mais poderoso do Iraque.

Quando o exército extremista do ISIS emergiu lá em 2014 e passou pelo exército do Iraque, Suleimani derrotou os EUA na linha de frente, fornecendo as primeiras armas para as forças étnicas curdas que impediriam o avanço do terrorista. Em Bagdá, o governo pediu que as milícias se mobilizassem contra o ISIS, outro golpe inesperado da Força Quds, como a maioria dos combatentes organizados pela seita. Entre os pôsteres publicados no Irã nas horas seguintes à sua morte, havia uma leitura em inglês: “General Suleimani, Antiterrorism”

Em um post no Twitter, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, chamou Suleimani de “A força mais eficaz contra Daesh (ISIS), Al Nusrah, Al Qaeda e outros” e chamou seu assassinato de “uma escalada extremamente perigosa e tola”.

O Irã, é claro, havia feito a maior parte da escalada em relação ao ano anterior – testando constantemente Trump no campo da guerra assimétrica, enquanto ele apertava os parafusos na economia iraniana na esperança de forçar Teerã a reabrir as negociações sobre o acordo nuclear que Trump havia deixado unilateralmente.

Mas como Trump se recusou a reagir às forças armadas, os ataques do Irã se tornaram mais ousados – desde atacar navios de petróleo (“muito pequenos”, disse Trump à TIME), até abater um drone americano (Trump ordenou um contra-ataque e depois o cancelou), para, em setembro, bombardear as principais instalações petrolíferas sauditas. A primeira resposta militar de Trump veio apenas nesta semana, após a morte do contratado. E os eventos rapidamente se transformaram em assassinatos aéreos que provocaram suspiros entre aqueles que sabiam a importância de Suleimani para o Irã.

IRAN: The Rise of the Revolutionary Guards' Financial Empire: How the Supreme Leader and the IRGC Rob the People to Fund International Terror (English Edition) por [U.S. Representative Office, NCRI-] LIVRO RECOMENDADO:

IRAN: The Rise of the Revolutionary Guards’ Financial Empire: How the Supreme Leader and the IRGC Rob the People to Fund International Terror

  • NCRI – U.S. Representative Office (Autor)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle, Capa Dura e Capa Comum

Em 2017, quando a TIME incluiu Suleimani em sua lista das 100 pessoas mais influentes, o ex-analista da CIA Kenneth M. Pollack escreveu que “para os xiitas do Oriente Médio, ele é James Bond, Erwin Rommel e Lady Gaga reunidos em um”. No Irã, seus sucessos no exterior evocam as glórias passadas do império persa de que, em seus primeiros anos, a República Islâmica trabalhou para subestimar, porque era anterior ao Islã. Mas os aiatolás ultimamente encontraram um trunfo no nacionalismo; outro pôster em homenagem a Suleimani o rotula de “PERSIAN GENERAL”.

Tão popular era ele com o público iraniano que Suleimani foi concebido – pelo menos por alguns em Teerã – como uma figura que poderia fornecer a fé pública tão necessária no regime após a eventual morte do líder supremo, agora com 80 anos – talvez se tornando o rosto público da República Islâmica, enquanto um novo clérigo de topo encontrou seus pés. Essa noção, por mais real ou plausível, também foi destruída na calçada de Bagdá.

“Os EUA”, declarou o ministro das Relações Exteriores do Irã, “são responsáveis ​​por todas as consequências de seu aventureiro desonesto”.

BBC

Qassem Suleimani: EUA matam general iraniano em ataque aéreo em Bagdá

https://www.bbc.com/news/world-middle-east-50979463

O comandante militar mais poderoso do Irã, general Qassem Suleimani, foi morto por um ataque aéreo dos EUA no Iraque.

O homem de 62 anos liderou as operações militares iranianas no Oriente Médio como chefe da elite da Força Quds do Irã. Ele foi morto no aeroporto de Bagdá, junto com outras milícias apoiadas pelo Irã, no início da sexta-feira, em um ataque ordenado pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Trump disse que o general é “direta e indiretamente responsável pela morte de milhões de pessoas”. O assassinato de Suleimani marca uma grande escalada nas tensões entre Washington e Teerã.

Sob sua liderança, o Irã reforçou o Hezbollah no Líbano e outros grupos militantes pró-iranianos, expandiu sua presença militar no Iraque e na Síria e orquestrou a ofensiva da Síria contra grupos rebeldes na longa guerra civil do país.

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse que “a vingança severa aguarda os criminosos” por trás do ataque. Ele também anunciou três dias de luto nacional.

Suleimani era amplamente visto como a segunda figura mais poderosa do Irã, atrás do aiatolá Khamenei. A Força Quds, uma unidade de elite da Guarda Revolucionária Iraniana, se reportou diretamente ao aiatolá e Suleimani foi aclamado como uma figura nacional heroica.

Mas os EUA chamaram o comandante e a força de Quds de terroristas e os responsabilizam pela morte de centenas de funcionários dos EUA. O presidente Trump, que estava na Flórida na hora do ataque, tuitou uma imagem da bandeira americana logo após a notícia.

Tuitando novamente na sexta-feira, Trump disse que Suleimani “matou ou gravemente feriu milhares de americanos… e planejava matar muito mais” e “deveria ter sido retirado há muitos anos”.

“Embora o Irã nunca seja capaz de admiti-lo adequadamente, Suleimani era odiado e temido dentro do país”, disse ele.

Um comunicado do Pentágono – sede do Departamento de Defesa americano – disse que Suleimani estava “desenvolvendo planos para atacar diplomatas e militares americanos no Iraque e em toda a região”.

“Este ataque visava impedir futuros planos de ataque iranianos”, acrescentou. Enquanto isso, os preços globais do petróleo subiram mais de 4% após o ataque.

Como ocorreu o ataque e quem foi morto?

Suleimani e oficiais das milícias apoiadas pelo Irã estavam saindo do aeroporto de Bagdá em dois carros quando foram atingidos por um ataque de drone americano perto de uma área de carga.

O comandante teria vindo do Líbano ou da Síria. Vários mísseis atingiram o comboio e acredita-se que pelo menos sete pessoas tenham morrido.

A Guarda Revolucionária do Irã disse que o líder da milícia iraquiana Abu Mahdi al-Muhandis estava entre os mortos. Muhandis comandou o grupo Kataib Hezbollah, apoiado pelo Irã, que Washington culpou por um ataque de foguetes que matou um empreiteiro civil americano no norte do Iraque na sexta-feira passada.

Ele também liderou efetivamente as unidades de Mobilização Popular (PM), um guarda-chuva de milícias no Iraque dominado por grupos alinhados ao Irã. A maioria dos mortos no ataque pertencia ao PM, informou a organização. O genro de Suleimani e um membro do Hezbollah libanês também estavam entre os mortos, acrescentou.

A declaração do Pentágono dizia: “sob a direção do presidente, os militares dos EUA tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal dos EUA no exterior, matando Qassem Suleimani”.

Ele acrescentou: “os Estados Unidos continuarão a tomar todas as medidas necessárias para proteger nosso povo e nossos interesses onde quer que estejam ao redor do mundo”.

O ataque com drones ocorre dias após os manifestantes atacarem a embaixada dos EUA em Bagdá, entrando em confronto com as forças americanas no local. O Pentágono disse que Suleimani aprovou os ataques à embaixada.


Assista ao Vídeo 901 do Canal ARTE DA GUERRA: A morte do General Qassem Suleimani


Análise por Lyse Doucet, correspondente-chefe internacional

A figura militar mais poderosa do Irã era considerada a mente estratégica por trás de sua vasta ambição no Oriente Médio e o verdadeiro ministro das Relações Exteriores do país quando se tratava de assuntos de guerra e paz.

Como comandante das forças especiais de elite, ele orquestrou operações secretas, envolvendo uma rede de milícias por procuração, em toda a região. Ele também comandou a influência política dentro do Irã e foi considerado apenas o segundo líder supremo todo-poderoso do Irã.

Ele foi amplamente considerado o arquiteto da guerra do presidente Bashar al-Assad na Síria, do conflito em curso no Iraque, da luta contra o Estado Islâmico e de muitas batalhas além.

O general de cabelos prateados e barba rala era um herói cult para seus combatentes e a face do mal para seus inimigos. Por anos, as autoridades americanas consideraram matar um adversário astuto que ordenou ataques a suas forças e os provocou com farpas nas mídias sociais.

Às vezes, alguns de seus objetivos estavam alinhados, inclusive na luta contra o Estado Islâmico, mas eles continuavam inimigos jurados.

As autoridades iranianas são categóricas – este é um ato de guerra a ser enfrentado por “duras retaliações”. O Irã tem muitas maneiras e meios de reagir à medida que uma crise de longa duração se repete de repente em um novo capítulo perigoso.

Como o Irã respondeu?

O ministro das Relações Exteriores Javad Zarif chamou o ataque de “ato de terrorismo internacional”, tuitando que os EUA “são responsáveis ​​por todas as consequências de seu aventureiro desonesto”.

O presidente Hassan Rouhani disse em comunicado: “O Irã e as outras nações livres da região se vingarão por esse crime hediondo da América criminosa”.

Rouhani acrescentou que sua morte redobrou a determinação do Irã “de resistir ao bullying americano”.

O general Esmail Qaani, vice-chefe do braço de operações estrangeiras da Guarda Revolucionária, foi nomeado sucessor de Suleimani pelo aiatolá Khamenei.

Em outra reação:

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, condenou o “assassinato” de Suleimani como uma “escalada perigosa” das tensões regionais;

A Rússia disse que o ataque foi um “assassinato” e um “passo imprudente” dos EUA;

O grupo Hezbollah, apoiado pelo Irã, no Líbano, pediu que a morte de Suleimani fosse vingada;

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que os EUA tinham o “direito” de se defender e elogiou o presidente Trump por agir “com rapidez, força e decisão”.

Em Washington, membros do Partido Republicano do presidente Trump receberam bem a notícia. O republicano Kevin McCarthy disse que o ataque foi uma “demonstração de determinação e força”.

The Pasdaran: Inside Iran's Islamic Revolutionary Guard Corps (English Edition) por [Ottolenghi, Emanuele] LIVRO RECOMENDADO:

The Pasdaran: Inside Iran’s Islamic Revolutionary Guard Corps

  • Emanuele Ottolenghi (Autor)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum

Mas os democratas foram críticos. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse que a medida arriscou uma “escalada perigosa” e sugeriu que o Congresso deveria ter sido consultado.

Mais tarde na sexta-feira, o Secretário de Estado Mike Pompeo disse que o ataque foi “legal” e “salvou vidas”. Ele disse à Fox News: “Não buscamos guerra com o Irã, mas não ficaremos de prontidão vendo vidas americanas em risco”.

Quem foi Qassem Suleimani?

Desde 1998, ele liderou a Força Quds do Irã, que lida com operações clandestinas no exterior.

O Irã reconheceu o papel da Força Quds nos conflitos na Síria, onde aconselhou as forças que apoiam o Presidente Bashar al-Assad e armou milhares de milicianos xiitas muçulmanos lutando ao lado deles e no Iraque, onde apoiou um paramilitar dominado pelos xiitas. força que ajudou a combater o EI.

Esses conflitos transformaram o outrora recluso Suleimani em algo de celebridade no Irã.

O governo Trump alegou que a Força Quds é o “principal mecanismo do Irã para cultivar e apoiar” grupos terroristas designados pelos EUA em todo o Oriente Médio – incluindo o movimento Hezbollah do Líbano e a Jihad Islâmica Palestina – fornecendo financiamento, treinamento, armas e equipamentos.

Os EUA designaram a Guarda Revolucionária do Irã e sua Força Quds como organizações terroristas estrangeiras em abril.

Reuters

EUA dizem que interrompeu ‘ataque iminente’ com morte do comandante do Irã

https://www.reuters.com/article/us-iraq-security-blast/u-s-says-it-disrupted-imminent-attack-with-killing-of-iran-commander-idUSKBN1Z11K8

Ahmed Rasheed, Ahmed Aboulenein – 2 de janeiro de 2020

BAGDÁ (Reuters) – O Irã prometeu vingança severa na sexta-feira depois que um ataque aéreo dos EUA em Bagdá matou na sexta-feira Qassem Suleimani, comandante da elite Quds Force de elite do Irã e arquiteto de sua crescente influência militar no Oriente Médio.

Suleimani, um general de 62 anos, era considerado a segunda figura mais poderosa do Irã, depois do líder supremo aiatolá Ali Khamenei.

O ataque noturno, autorizado pelo presidente Donald Trump, foi uma escalada dramática em uma “guerra sombria” no Oriente Médio entre o Irã e os Estados Unidos e seus aliados, principalmente Israel e Arábia Saudita.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que o ataque pretendia interromper um “ataque iminente” que colocaria em risco os americanos no Oriente Médio. Críticos democratas disseram que o presidente republicano havia aumentado o risco de mais violência em uma região perigosa.

Pompeo, em entrevistas à Fox News e CNN, se recusou a discutir muitos detalhes da suposta ameaça, mas disse que era “uma avaliação baseada em inteligência” que levou a decisão de atacar Suleimani.

Em um tweet, Trump disse que Suleimani “matou ou feriu gravemente milhares de americanos por um longo período de tempo e planejava matar muitos mais”, mas não deu detalhes.

O ataque também matou o principal comandante da milícia iraquiana Abu Mahdi al-Muhandis, conselheiro de Suleimani.

Após um forte aumento nas hostilidades EUA-Irã, na semana passada, quando milicianos pró-iranianos atacaram a embaixada dos EUA no Iraque após um ataque aéreo dos EUA à milícia Kataib Hezbollah, fundada por Muhandis.

O primeiro-ministro do Iraque disse que, com o ataque de sexta-feira, Washington violou um acordo para manter as tropas americanas em seu país.


Assista ao Vídeo 902 do Canal ARTE DA GUERRA: Desdobramentos da operação militar que matou o General Qassem Suleimani


Preocupação com a escalada

Israel colocou seu exército em alerta máximo e aliados dos EUA na Europa, incluindo Grã-Bretanha, França e Alemanha, manifestaram preocupações sobre uma escalada nas tensões.

Autoridades dos EUA, falando sob condição de anonimato, disseram que Suleimani foi morto em um ataque de drone. A Guarda Revolucionária do Irã disse que ele morreu em um ataque de helicópteros dos EUA.

A embaixada dos EUA em Bagdá pediu a todos os cidadãos americanos que deixassem o Iraque imediatamente.

Dezenas de cidadãos dos EUA que trabalham para empresas petrolíferas estrangeiras na cidade de Basra, no sul, estavam deixando o país. As autoridades iraquianas disseram que as evacuações não afetariam a produção e as exportações não seriam afetadas.

Os preços do petróleo saltaram mais de US$ 3 por barril devido à preocupação com a interrupção do fornecimento no Oriente Médio.

Khamenei disse que a vingança dura aguardava os “criminosos” que mataram Suleimani e disse que sua morte dobraria a resistência contra os Estados Unidos e Israel.

Em declarações à mídia estatal, ele pediu três dias de luto nacional e nomeou o vice de Suleimani, brigadeiro-general Esmail Ghaani, para substituí-lo como chefe da Força Quds.

“Banana de dinamite”

Os críticos de Trump consideraram a operação imprudente.

“O presidente Trump acabou de jogar dinamite em uma caixa de areia”, disse o ex-vice-presidente Joe Biden, candidato nas eleições presidenciais dos EUA neste ano.

Como líder da Força Quds, o braço estrangeiro da Guarda, Suleimani teve um papel fundamental na luta na Síria e no Iraque.

Durante duas décadas, ele esteve na vanguarda da projeção da influência militar da República Islâmica no Oriente Médio, adquirindo status de celebridade em casa e no exterior.

O presidente Hassan Rouhani disse que o assassinato tornaria o Irã mais decisivo na resistência aos Estados Unidos, enquanto os guardas revolucionários disseram anti-EUA. forças iria se vingar do mundo muçulmano.

Centenas de iranianos marcharam em direção ao complexo de Khamenei, no centro de Teerã, para expressar suas condolências.

“Não sou pró-regime, mas gostei de Suleimani. Ele era corajoso e amava o Irã, lamento muito nossa perda”, disse a dona de casa Mina Khosrozadeh, em Teerã.

Na cidade natal de Suleimani, Kerman, pessoas vestidas de preto se reuniram em frente à casa de seu pai, chorando ao ouvir uma recitação de versos do Alcorão.

“Heróis nunca morrem. Isto não pode ser verdade. Qassem Suleimani sempre estará vivo”, disse Mohammad Reza Seraj, professor.

O primeiro-ministro iraquiano Adel Abdul Mahdi condenou os assassinatos como um ato de agressão que violava a soberania do Iraque e levaria à guerra.

Israel há muito vê Suleimani como uma grande ameaça e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu defende a ação dos EUA. A Rádio do Exército de Israel disse que os militares estavam em alerta.

O Ministério da Defesa da Rússia chamou a matança de um passo “míope” que levaria a escaladas na região.

LIVRO RECOMENDADO:

O Punho de Deus (edição de bolso)

  • Frederick Forsyth (Autor)
  • Em português
  • Versões Capa Dura e Capa Comum

Ataques anteriores

A Força Quds do comandante morto, juntamente com representantes paramilitares do Hezbollah do Líbano e do agrupamento de milícias apoiadas pelo Irã por milícias apoiadas pelo Irã – milícias reforçadas pela guerra e armadas com mísseis – tem amplos meios de resposta.

Em setembro, as autoridades norte-americanas culparam o Irã por um ataque de mísseis e drones a usinas de petróleo da gigante saudita Saudi Aramco. Washington também culpou Teerã por ataques anteriores ao transporte do Golfo.

O Irã negou a responsabilidade pelos ataques e acusou Washington de promover a guerra, repondo sanções prejudiciais à principal exportação de petróleo do Irã, a fim de forçar Teerã a renegociar um acordo para congelar suas atividades nucleares.

Suleimani havia sobrevivido a várias tentativas de assassinato por agências ocidentais, israelenses e árabes nas últimas duas décadas.

A Força Quds, encarregada de operar além das fronteiras do Irã, apoiou o presidente da Síria, Bashar al-Assad, quando parecia quase derrotado na guerra civil desde 2011 e também ajudou milícias a derrotar o Estado Islâmico no Iraque.

Suleimani tornou-se chefe da força em 1998, após o que fortaleceu discretamente os laços do Irã com o Hezbollah no Líbano, o governo da Síria e grupos de milícias xiitas no Iraque.

Banner-loja-02.jpg


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing, é fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX e a Operação Acolhida. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra, onde, entre outras atividades, mantém uma resenha semanal de filmes e documentários militares. Pode ser contatado através do e-mail caballe@gmail.com.


 

4 comentários sobre “Clipping Suleimani

  1. Muito boa reunião de material, de diversas fontes e visões, concordemos ou não com elas em sua totalidade.

    Imagino que o tradutor automático tenha dado algumas escorregadas, como em “strike” como “greve” (no contexto seria “ataque”) ou “drone” como “zangão” (no contexto seria drone mesmo”, mas nada que desabone o artigo.

    Forte abraço!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para wanderley silva Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s